Peixes em Geral

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Peixes em Geral

Mensagem  Daniel T em Ter Nov 29, 2011 5:41 am

Notícias relacionadas aos Peixes em Geral.
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

vc repórter: pescador do RS pega peixe de 1,60 m e cita 'milagre'

Mensagem  Daniel T em Qua Abr 11, 2012 12:19 pm



Peixe foi dividido em dez pedaços, sendo que um deles serviu de jantar para 15 pessoas


Muitos podem falar que é história de pescador, mas o gaúcho Juliano Macci, de Ijuí, conseguiu capturar uma carpa prateada de 59 kg e 1,60 m na última quinta-feira, na barragem de Passo Real, no rio Jacuimirim, em Ibiruba. De acordo com o próprio autor da façanha, o peixe rendeu uma ótima Páscoa para a família.

Acompanhado de Paulo Roberto Pias, Gilmar Veraschini e Ivo Macci, todos naturais de Ijuí, naquele dia Juliano acordou às 7h30 para preparar a pescaria. O objetivo era voltar para casa com um bom prato para a Quinta e Sexta-feira Santa.

"A pescaria estava difícil e depois de horas não tínhamos pego nada. Fomos largar a rede para chamar os peixes para perto e quando vimos ela estava enroscada", afirmou Juliano, que já havia ligado para sua mulher pedindo que ela comprasse peixe para o jantar.

O gaúcho contou que jamais havia pescado um peixe desse tamanho. O maior que já havia pego era um de 10 kg. "Meus pais nunca tinham visto um igual à aquele. Acho que as vovós lá de casa rezaram tanto que aconteceu um milagre", brincou Juliano.

O pescador contou ainda que ele e sua família comeram "apenas" 6 kg do peixe e que o resto está congelado. Na noite de quinta-feira, esses 6 kg foram divididos para alimentar 15 pessoas, entre crianças e adultos.


-------
Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5709622-EI8145,00-vc+reporter+pescador+do+RS+pega+peixe+de+m+e+cita+milagre.html
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Outro super tubarão pré-histórico

Mensagem  reptilesporosus em Sex Maio 18, 2012 3:01 pm

Uma equipe de paleontólogos descobriu no Kansas, E.U.A., os restos fossilizados de um tubarão gigante de dez metros de comprimento que viveu há 89 milhões anos. Estima-se que possa ser o maior predador de crustáceos que jamais existiu.
O Dr. Kenshu Shimada, da DePaul University, em Chicago, Illinois, e sua equipe descobriram os restos do Ptychodus mortoni em um precipício em Kansas chamado Fort Hays Limestone.

Os especialistas já sabiam da existência da espécie, mas o novo exemplar sugere que foi muito maior do que se pensava anteriormente.

Os detalhes da descoberta foram publicados na última edição da revista Cretaceous Research.

Junto com um pedaço de mandíbula, os paleontólogos encontraram dentes e escamas, o que é relevante, pois é comum encontrar apenas dentes isolados.

"Embora isso represente apenas uma fração do corpo completo do tubarão, o fragmento da mandíbula é enorme. O tamanho total estimado da mandíbula é um metro, o que sugere que o tubarão provavelmente media dez metros", disse Shimada.
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Tubarões hibrídos

Mensagem  reptilesporosus em Sex Maio 18, 2012 3:03 pm


Os primeiros tubarões híbridos descobertos no mundo, que apareceram em águas da Austrália, são capazes de se reproduzir, ao contrário de outros animais híbridos, como os equinos.

"O que é muito fascinante é que não são estéreis. No futuro, poderemos ver muitas gerações desta espécie intermediária", disse à Agência Efe Jess Morgan, pesquisadora da Universidade de Queensland e integrante da equipe responsável por esta descoberta.

A "espécie intermediária" encontrada é resultado do acasalamento entre um tubarão-de-galha-negra australiano (Carcharhinus tilstoni) e um galha-negra comum (Carcharhinus limbatus), ambos inofensivos para o homem.

O tubarão-de-galha-negra comum é maior e vive em águas mais frias, enquanto a espécie autóctone da Austrália, menor, prefere as águas mais quentes.

Apesar de pouco se saber sobre as características dos tubarões híbridos, é certo que estes "são capazes de nadar em águas mais frias, o que representa uma expansão no nível de tolerância destes animais à temperatura", assinalou Morgan.

Os pesquisadores acreditam que estes tubarões "talvez estejam mais bem preparados para se adaptarem à mudança climática". No entanto, eles descartam que a origem desta espécie intermediária esteja vinculada com um impacto do aquecimento global na fauna marinha.

O caráter híbrido destes tubarões, descobertos durante uma pesquisa nas reservas marinhas na costa leste australiana, foi confirmado através da análise de DNA.

Segundo Jennifer Ovenden, especialista em genética e integrante da mesma equipe, a descoberta abre a possibilidade de detectar este tipo de comportamento entre as 400 espécies de tubarões que habitam o planeta, 180 delas em águas australianas.

A "hibridação" pode ocorrer em animais e plantas, sendo utilizada muitas vezes pelo ser humano na agricultura e na pecuária.

Entre os animais, essas misturas também ocorrem a partir de cruzamentos, como o leão e a tigresa, o golfinho-nariz-de-garrafa fêmea e a falsa-orca macho e a zebra macho e a égua.

Essa descoberta ganhou muita visibilidade na Austrália, país que sofre com ataques de tubarões a surfistas e banhistas, e foi divulgada alguns meses depois de uma operação iniciada para capturar um grande tubarão branco que teria matado um mergulhador americano na cidade de Perth.

Segundo dados oficiais, 53 pessoas morreram na Austrália por ataque de tubarões nos últimos 50 anos

avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Kaluga de 600kg é pescado na China!!!

Mensagem  reptilesporosus em Qua Maio 30, 2012 1:00 pm



O Kaluga é um esturjão predador só encontrado na Rússia, Sibéria e China. Chen Lin, o pescador que capturou o peixe disse que era o maior que já tinha visto. Chen, juntamente com colegas pescadores, enviaram o peixe a uma estação local de reprodução do esturjão.( Graças a Deus, bom censo naquela parte do Mundo)
Acredita-se que existe há 130 milhões de anos e são possivelmente o maior peixe de água doce do mundo. A espécie está listada como criticamente em perigo, tendo sido pescados à beira da extinção por causa de suas ovas valiosas.
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Arraia Manta gigante na Africa.

Mensagem  reptilesporosus em Qua Maio 30, 2012 1:13 pm



Uma gigante arraia manta foi acidentalmente pega por africanos em águas profundas por uma âncora de navio petrolífero, de acordo com relatos de várias notícias internacionais em sites numa sexta-feira,em 16 março, 2012. A manta gigante teria sido capturada perto de Bonny, uma ilha perto da borda sul do Estado de Rivers, no Delta do Níger, na Nigéria próximo a Port Harcourt.

Os trabalhadores a bordo da companhia de petróleo e do navio teriam sido surpreendidos ao ver a manta gigante . Não há detalhes imediatos claros da manta gigante sobre seu tamanho ou peso, mais como pode-se ver nas imagens tratar-se de um animal enorme, com pelo menos 1000kg.

Os relatórios dizem que a manta gigante foi transportada a bordo de um navio de serviço de petróleo,depois que ficou presa com a linha do navio ancorado na área do Atlântico Sul.

avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Dois nomes, um só peixe (referente aos Traírões 2 espécies)

Mensagem  Daniel T em Qua Ago 29, 2012 5:07 pm

Equipe da USP comprova que a Hoplias aimara e a Hoplias macrophthalmus são a mesma traíra. O tira-teima mobilizou cientistas na Europa e nos EUA


Marina Lemle escreve para o site “O Eco”:

Carnívora, caçadora de espreita, pequena e espinhenta, a traíra goza de má fama. Por suas características, virou até xingamento para designar gente que se enquadra nessas conotações.

Não bastassem essas metáforas, a ciência acaba de comprovar haver traíras iguais que se apresentam com nomes diferentes. A pergunta não cala: ter dois nomes é “coisa de traíra”? No caso, não.

De acordo com o zoólogo George Mattox, o duplo batizado da espécie Hoplias aimara – ou Hoplias macrophthalmus – foi inocente. H. aimara foi descrita em 1846 por Valenciennes, e H. macrophthalmus em 1907, por Pellegrin, ambos pesquisadores franceses do grupo dos grandes naturalistas europeus responsáveis por descrever as ricas fauna e flora recém-descobertas no Novo Mundo.

“Naquela época o conhecimento sobre a diversidade taxonômica e morfológica era limitado e boa parte das descrições originais de espécies era sucinta, pouco detalhada e um tanto quanto vaga. As técnicas de conservação do material, bem como a tecnologia disponível para estudá-lo, eram bem diferentes e restritivas se comparadas ao que temos hoje. Além disso, a comunicação entre os pesquisadores era muito mais lenta ou mesmo inexistente, enquanto hoje é possível encontrar fotografias do material de museus na Internet e corresponder-se com os curadores rapidamente por e-mails, trocando material via correio, por exemplo”, explica o pesquisador do Departamento de Zoologia do Instituto de Biociências da USP.

Desde suas descrições originais, Hoplias aimara e Hoplias macrophthalmus foram citadas em publicações e por pesquisadores diferentes.

Só na década de 1980 é que o pesquisador francês Jacques Géry sugeriu, em uma nota de rodapé, que ambos os nomes poderiam ser sinônimos, isto é, referir-se a uma única espécie. Não havia um estudo de caráter comparativo.

Cooperação científica

De acordo com Mattox, para determinar se existiam uma ou duas espécies, era necessário examinar o maior número possível de exemplares, cobrindo uma ampla área geográfica.

“Só o esforço conjunto de vários pesquisadores em diversas instituições poderia levar a uma idéia aproximada da real diversidade das espécies de traíras”, conta o pesquisador, que conseguiu a colaboração de museus de zoologia e história natural do Brasil e do exterior.

O curador do Museu Nacional de História Natural de Paris enviou informações e fotografias dos exemplares originais utilizados pelos pesquisadores que descreveram as espécies, chamado de “material-tipo”.

O Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque, e a Academia de Ciências Naturais da Filadélfia, nos EUA, financiaram a visita do pesquisador para que conhecesse suas coleções de peixes da América do Sul.

Outros museus, na Califórnia e em Chicago, enviaram material por empréstimo pelo correio. Além disso, foram estudadas diversas coleções nacionais, que possuem uma boa amostragem das bacias hidrográficas do Brasil, em especial a do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

Um total de 200 exemplares medindo entre 30 milímetros e sessenta centímetros foi estudado.

A pesquisa confirmou a suspeita de que os dois nomes listados nos catálogos se referiam à mesma espécie, Hoplias aimara (segundo o Princípio de Prioridade do Código Internacional de Nomenclatura Zoológica, prevalece o primeiro nome).

Além de auxiliar na identificação da espécie na natureza, o trabalho resultou numa caracterização mais precisa do peixe e permitiu fazer uma estimativa sobre sua distribuição geográfica, influenciando listagens locais da fauna.

Os resultados estão na dissertação de mestrado de Mattox e em artigo publicado na última edição da revista Copeia, referência internacional em ictiologia, escrito em co-autoria com sua orientadora, Mônica de Toledo-Piza, e Osvaldo T. Oyakawa.

“Os exemplares estudados foram coletados ao longo de décadas por muitos pesquisadores e naturalistas nas mais diversas regiões da América do Sul e foram sendo incorporados às coleções. Esse acúmulo de exemplares provenientes de diferentes localidades nas coleções tornou possível uma revisão taxonômica”, explica Mattox.

Ele acrescenta que as coleções também são incrementadas com coletas feitas em projetos de consultoria ambiental e resgate de fauna.

“Essas coletas podem render muitos frutos no conhecimento destas espécies”, salienta o pesquisador, que cria traíras em aquários em casa.

Segundo ele, a grande diversidade da fauna de peixes sul-americana, principalmente na região Amazônica, torna difícil a sua sistematização e catalogação.

“Questões similares ligadas à sinonímia de nomes são comuns em estudos de taxonomia, e cabe ao taxonomista organizar o que já se sabe historicamente, incorporando os novos avanços do conhecimento para determinar a validade das espécies. Esta tarefa está na base de qualquer tipo de estudo sobre diversidade”, afirma.

Mancha negra e menos um osso no céu da boca

As traíras são predadoras e, quando adultas, alimentam-se principalmente de outros peixes. Os jovens são mais generalistas, comendo, além de pequenos peixes, larvas de insetos e outros invertebrados. Espécies de grande porte, como a Hoplias aimara, podem comer pequenos lagartos e mamíferos que caem na água.

“São caçadores de espreita que ficam camuflados próximo ao fundo esperando a presa passar”, descreve Mattox, que cria em aquários na sua casa uma outra espécie de traíra, a Hoplias malabaricus.

Ele frisa que, apesar de predadoras, elas também servem de alimento para muitos animais como peixes de grande porte, aves piscívoras e mamíferos aquáticos como botos e ariranhas.

“De maneira geral, as traíras são peixes muito vorazes, mas na natureza elas convivem com outros peixes e seres vivos, interagindo, predando e sendo predadas.

Numa região relativamente conservada, as traíras convivem com uma série de outras espécies de peixes”, explica o zoólogo.

A Hoplias aimara possui uma mancha negra sobre a membrana na borda posterior do opérculo, a estrutura óssea que recobre as brânquias. Nenhuma outra espécie de traíra possui tal mancha.

Além desta característica externa de fácil visualização, há outras características morfológicas internas, como a ausência de um osso na boca.

Todas as traíras possuem no palato, o céu da boca, dois ossos que portam dentes pequenos, tecnicamente chamados de ectopterigóide e ectopterigóide acessório. Hoplias aimara é a única que não possui o ectopterigóide acessório.

A espécie ocorre nas bacias dos rios Tocantins, Xingu, Tapajós, Jarí e Trombetas, nas bacias costeiras das Guianas, do Suriname e no estado brasileiro do Amapá.

Conhecimento nativo

Mattox ressalta que o contato com a população local nas expedições de coleta é fundamental.

“Ribeirinhos, pescadores tradicionais e povos indígenas têm um conhecimento rico sobre os peixes de uma região, sabem seus hábitos de vida, onde, como e quando capturá-los etc. Muitas vezes eles sabem identificar espécies diferentes enquanto nós, taxonomistas na cidade grande, estamos apenas começando a entendê-las”, diz, e dá como exemplo os trairões do Rio Xingu, onde os pescadores locais identificam duas espécies e só recentemente o conhecimento científico sobre a existência de uma delas veio à tona.

Ele lembra ainda que, em afluentes do Alto Rio Negro, os índios ajudaram muito na identificação de uma série de espécies novas de peixes.

Estima-se que o Brasil possua 4 mil espécies de peixes das cerca de 28 mil existentes no planeta. Muitos taxonomistas especialistas em peixes vêm descrevendo novas espécies ou redefinindo e catalogando as espécies com nomes duvidosos.

“Descrever e catalogar cada uma das espécies de seres vivos do planeta é uma tarefa árdua e demorada, mas de importância fundamental para se conhecer a biodiversidade. É preciso saber o que temos para podermos pensar em ações de conservação e proteção à natureza”, enfatiza Mattox.


Fonte: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=42842
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Peixes em Geral

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum