Onça-Pintada (Panthera onca)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Onça-Pintada (Panthera onca)

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:01 pm

Nome: Onça Pintada
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Nome científico: Panthera onca
Nome inglês: Jaguar
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Nome

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:04 pm

"...à palavra jaguar é de origem ameríndia. O termo é derivado do tupi-guarani janou-ara, um nome genérico atribuído pelos indígenas basicamente aos animais do gênero Felis. No México, os Astecas chamavam esse animal de ocelotl. À palavra onça, por sua vez, é um empréstimo do italiano lonza..."
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Distribuição

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:14 pm

Distribuição: Ao sul dos EUA, México, América Central e América do Sul (Noroeste da Argentina)



Última edição por Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:18 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

História

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:16 pm

"Entre 1,6 milhão e 100.000 anos antes da nossa era, no atual território dos Estados Unidos, vivia Panthera augusta. Essa espécie gigante teria sido, segundo especialistas, o antepassado direto da Panthera onca, a atual onça. Aos poucos, suas dimensões teriam diminuído e as suas patas ter-se-iam reduzido proporcionalmente. Outros pesquisadores duvidam de tal teoria e sugerem, com base em descobertas feitas em numerosas jazidas fósseis, que as duas espécies teriam coabitado até à extinção da onça gigante, q teria ocorrido no início da era moderna simultaneamente com o aparecimento do homem..."
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Corpo / Peso

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:20 pm

"...Às patas, curtas e possantes, estão adaptadas à vida arborícola. À musculatura do corpo permite-lhe, no momento do bote, pular sobre às presas antes de estas terem tempo de reagir. Mas à onça tem necessidade de se aproximar mais delas do que o leopardo, uma vez que sua corpulência, mais maciça, não lhe permite executar saltos tão amplos como os deste último. Por outro lado, ela é capaz de abater animais de 200 a 300kg e à força de suas mandíbulas é verdadeiramente impressionante..."

“a cabeça incomumente grande da onça-pintada (se comparada a de outros grandes felinos) e o poderoso dente canino são maravilhosamente adaptados para esmagar a couraça dura das tartarugas, e quebrar os tegumentos extremamente duros dos jacarés e crocodilos"

Sobre o Peso:

Segundo a "Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação
em Biologia Animal da Universidade de Brasília
como parte dos requisitos para a obtenção do título
de Doutor em Biologia Animal.", material da Pró-Carnívoros:

"Chegando a pesar 130 kg, as onças-pintadas variam seus pesos quanto ao sexo."

México: peso de 45 Kg (média geral). (Nunes et al.,2002)

Llanos: peso de 74,8 Kg (média geral) (Hoogesteijn & Mondolfi)

Venezuela: Peso médio de 52 Kg. Porém, Média exclusivamente para machos foi de 101 Kg! (Fonte: Scognamillo et al., 2001);

Parque Nacional das Emas: peso de 87,5 Kg (Fonte: Presente estudo);

Pantanal: Peso médio de 86 Kg. Média exclusivamente para machos foi de 96 Kg (Fonte: Almeida, 1990);

Parque Nacional do Iguaçu: peso de 84,16. Média exclusivamente para machos foi de 85,8 Kg (Fonte: Crawshaw, 1995);

EUA – TX - Apenas um Macho pesado - 64 Kg (Brown & Gonzales, 2001)

Outra no México, mas fonte diferente: Média geral: 45,25 Kg, e média exclusivamente para Machos foi de 54,5 Kg. (Brown & Gonzales, 2001)

EUA – AR (de outra fonte) : média geral de 58 Kg, e média exclusivamente para Machos foi de 64 Kg. (Brown & Gonzales, 2001)

E, segundo a fonte "Sana et al.,1999", não diz que região em si, somente diz "Brasil", e fala que os pesos são de 92 Kg e a Média exclusivamente para machos foi de 110 Kg.


Outra Fonte:

Segundo o material acima: "Dissertação apresentada como requisito parcial à
obtenção do grau e título de Mestre. Curso de Pós-
Graduação em Ciências Florestais, Área de
Concentração em Conservação da Natureza,
Universidade Federal do Paraná."

, só tem o diferencial do peso máximo da Onça-Pintada, onde diz:

"Existem variações regionais consideráveis no peso médio entre os locais de
ocorrência mas em geral, as fêmeas são 10 a 20% menores que machos (SEYMOUR,
1989). A média de peso para machos adultos em Belize foi de 57,2 kg; no pantanal foi de
96 kg e o peso máximo registrado para machos adultos foi de 149 kg, na Venezuela."


Última edição por Daniel T em Sab Dez 17, 2011 7:04 pm, editado 4 vez(es)
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Tendência à Agressividade e Força

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:24 pm

"...Parece ser verdade que o homem nada tem a temer desse felino e que não existem onças devoradoras de homens. Alexander von Humbolt, explorador alemão, conta haver presenciado uma onça, com a qual uma criança brincava, fugir quando essa lhe bateu. À fama de felino pacífico remonta mesmo ao tempo da conquista espanhola: uma onça e uma suçuarana, posta em liberdade pelos índios de uma aldeia para que atacassem os espanhóis de Pizarro, ter-se-iam simplesmente deitado aos pés dos conquistadores. Mas à onça tb é considerada um felino muito forte. Relatou um célebre naturalista espanhól Félix de Azara que uma onça teria sido capaz de arrastar um cavalo durante uma centena de metros até um rio, onde, então, o teria afogado..."

Obs: Em tempos mais recentes tem aparecido alguns ataques de Onças Pintadas ao Homem.
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Caça de Capivara

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:31 pm

"...À carne da capivara, por sua vez, é muito apreciada pela onça: esse animal, o maior roedor conhecido, pesa cerca de 50kg quando adulto... à onça parece ter uma técnica especial p/ capturá-lo: abocanha-o na base do crânio procurando atingir-lhe o cérebro. À espessura do osso craniano naquele ponto pode alcançar 2cm, mas às possantes presas da onça são capazes de o perfurar. Já se encontrou um crânio q tinha sido abocanhado na altura das orelhas: os caninos da onça tinham atingido os centros vitais da presa sem, praticamente, deixarem marcas na caixa craniana... "
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Combate com Touros/Formas de Abate

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:33 pm

"...Algumas fazendas sul-americanas foram palcos de lutas extraordinárias entre touros e onças. Enquanto derruba à presa, esse felídeo morde-a na cabeça, na base das orelhas. No caso de as presas serem de menor volume e corpulência, à onça utiliza à pata como um porrete, com ela partindo o crânio da vítima... "
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

A onça, predadora de outros felinos

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:34 pm

"...Um caçador em Belize relatou que, numa noite, foi atraído por rosnados de felídeo: uma jaguatirica tinha subido numa árvore, aos pés da qual estava uma onça mal-intencionada. Um escritor venezuelano viu uma onça que transportava nas mandíbulas o cadáver de uma jaguatirica, que, evidentemente, acabara de matar. Descobriu também um local onde uma onça e uma suçuarana teriam travado um combate. Na verdade, restavam apenas às patas do puma, tendo o resto sido provavelmente devorado pela onça..."
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Gula e necessidade

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:35 pm

"...Na maioria dos casos, continuam a se alimentar das presas tradicionais, que não faltam nas redondezas. Algumas, porém, preferem os rebanhos domésticos. Em geral, a onça ataca vitelas de 12-18 meses, o que não às impede, por vezes, caçar touros de 500kg... a onça pode aprender a se aproximar dos bovinos, mas estes, por sua vez - especialmente os touros - , conseguem expulsá-la quando ela ronda os pastos..."
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

A Onça-Pintada e o Puma Simpátricos

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 6:49 pm

Apenas duas espécies de grandes felinos vivem no Novo Mundo: a onça-pintada ou jaguar (Panthera onca), e o puma ou suçuarana (Puma concolor). Ambas as espécies ocorrem juntas nas florestas tropicais e savanas.

Os ecologistas denominam simpátricas duas ou mais espécies que vivem na mesma área. Neste artigo, comparamos os hábitos da onça-pintada e do puma simpátricos, e examinamos suas várias e importantes diferenças.



Dificuldades no Estudo da Onça-Pintada e do Puma Simpátricos

Antes de iniciarmos nosso artigo e síntese da literatura, vamos reservar um momento para considerar os vários problemas que os pesquisadores encontram na tentativa de estudar a onça-pintada e o puma simpátricos. Pelo fato de esses felinos percorrerem grandes territórios, qualquer pesquisador que restringir seu estudo em um local provavelmente encontrará apenas alguns indivíduos de cada espécie de felino. Isso não é bom porque é difícil chegar a conclusões gerais com base em um número tão pequeno de indivíduos. Além disso, na maioria dos casos, o pesquisador não recebeu financiamento adequado para analisar amostras em outros locais.

Outro problema reside no fato de que muitos dos animais dos quais a onça-pintada e o puma se alimentam também são caçados pelo homem. Em muitas áreas, a caça excessiva e a invasão de propriedade por seres humanos reduziram essas populações de presas a quantidades muito pequenas. Nesses locais, a onça-pintada e o puma talvez não consigam se especializar em diferentes alimentos porque a quantidade total de presas é tão pequena que esses felinos caçam qualquer animal que puderem encontrar (incluindo rebanhos domésticos). Além disso, a onça-pintada e o puma são caçados extensiva e ilegalmente pelo homem em algumas áreas. Quando isso ocorre, a população desses grandes felinos pode tornar-se tão baixa em relação à provisão de alimentos, que não competem entre si e, portanto, seus hábitos alimentares talvez não sejam tão diferentes como seriam sob condições naturais.

Os melhores lugares para estudar a onça-pintada e o puma simpátricos são as áreas de mata fechada onde não houve redução na quantidade desses felinos, nem de suas presas, devido à caça ou a armadilhas. Infelizmente, essas áreas são cada vez mais difíceis de ser encontradas no mundo moderno.


Hábitos Alimentares Gerais

As principais presas da onça-pintada e do puma são mamíferos, uma grande quantidade de espécies de mamíferos constituem alimento para ambos os felinos (Emmons 1987; Aranda & Sanchez Cordero 1996; Chinchilla 1997; Taber et al. 1997; Farrell et al. 2000; Núñez et al. 2000). Contudo, embora ambos geralmente alimentem-se das mesmas espécies de presas, alguns animais são presas mais freqüentes do Puma e outros da onça-pintada. Além disso, ambos os felinos preferem presas de tamanhos diversos. Vejamos essas diferenças em detalhes.


Diferenças entre o Tamanho do Corpo e da Presa

A onça-pintada é o maior felino do hemisfério ocidental e pode dominar presas maiores do que as do puma. O puma, por sua vez, apresenta uma distribuição geográfica mais ampla do que a onça-pintada, estendendo-se desde o Alasca e Norte do Canadá até a ponta mais meridional da América do Sul. Iriarte et al. (1990) compararam a taxa do comprimento da cabeça ao corpo do puma em toda sua distribuição geográfica, e constataram que o tamanho do corpo do puma torna-se menor nas áreas onde é simpátrico com a onça-pintada. Esta diminuição do tamanho do corpo do puma também é relacionada ao menor tamanho corporal de suas presas.

Quando simpátrico com a onça-pintada, o puma geralmente abate presas de tamanho médio ou pequeno, enquanto a onça-pintada mostra preferência por presas maiores (Taber et al., 1997; Maxit, 2001; Polisar et al., 2003; Azevedo, 2008). Por exemplo, nos Llanos da Venezuela, Scognamillo et al. (2003) constataram que a onça-pintada selecionava principalmente presas grandes (acima de 15 Kg), enquanto o puma preferia presas médias (de 1 a 15 Kg).


Predação sobre a Anta

As três espécies de antas (Tapiridae) do Novo Mundo são os maiores mamíferos terrestres nativos dos neotrópicos e os últimos elementos sobreviventes da megafauna do pleistoceno da América Central e do Sul (Fragoso e Huffman 2000). A onça-pintada alimenta-se de antas mais freqüentemente do que o Puma (Roth 1941; Schaller 1983; Mondolfi & Hoogestijn 1986; Crawshaw & Quigley 1984; Taber et al. 1997).

Uma possível explicação é que a onça-pintada, por ser maior que o puma, dispõe de mais recursos para dominar presas maiores. Outras possível explicação é que a onça-pintada encontra antas com maior freqüência do que o puma porque esta e as antas utilizam habitats ribeirinhos mais freqüentemente do que o puma (veja abaixo: Bodmer 1991; Salas 1996).


Predação sobre o Veado

Os veados são abatidos com maior freqüência pelo puma do que pela onça-pintada (Aranda & Sanchez Cordero, 1996; Chinchilla, 1997, Maxit, 2001; Scognamillo et al., 2003; Foster et al., 2009).

Nos Llanos da Venezuela, por exemplo, o veado de cauda branca (Odocoileus virginianus) constituiu 21% da biomassa consumida pelo puma, porém apenas 7% pela onça-pintada (Scognamillo et al., 2003). Embora estes resultados pudessem indicar que o puma é mais eficaz para abater veados, existe outra possível explicação. Scognamillo et al. (2003) sugeriram que o puma encontra veados-de-cauda-branca mais freqüentemente do que a onça-pintada porque esses veados utilizam habitats abertos, os quais são menos freqüentados pela onça-pintada.

Nas áreas protegidas da Reserva da Biosfera Maia, na Guatemala, restos mortais de veados-de-cauda-branca foram encontrados três vezes mais freqüentemente em excrementos de puma do que nos de onça-pintada, e restos de veados-mateiros (Mazama) foram encontrados seis vezes mais freqüentemente em restos de puma do que nos de onça-pintada (Novack et al., 2005).


Predação sobre Pecarídeos

Os pecarídeos são abatidos com maior freqüência pela onça-pintada do que pelo puma (Aranda & Sanchez Cordero, 1996; Chinchilla, 1997; Maxit, 2001; Scognamillo et al., 2003; Foster et al., 2009).

Nos Llanos da Venezuela, Scognamillo et al. (2003) constataram que, embora a onça-pintada alimentava-se de catetos adultos (Tayassu tajacu) com maior freqüência do que o puma, o puma atacava catetos jovens mais freqüentemente.


Predação sobre os Répteis Encouraçados

Grandes répteis de couraça constituem uma parte significativa da dieta da onça-pintada, porém uma parte não-significativa da dieta do puma (Guggisberg, 1975; Mondolfi & Hoogestijn, 1986; Emmons, 1987,1989; Carrillo et al., 1994; Maxit 2001; Scognamillo et al. 2003; Silveira et al., 2010). Os grandes répteis de couraça incluem jacarés, crocodilos, tartarugas marinhas e tartarugas terrestres.

Os répteis de couraça são relativamente raros hoje em dia, porém eram abundantes no passado, antes de serem cruelmente caçados pelo homem. O hábito de a onça-pintada se alimentar extensivamente dessa presa em particular relaciona-se à sua própria anatomia peculiar.

Por exemplo, a cabeça incomumente grande da onça-pintada (se comparada a de outros grandes felinos) e o poderoso dente canino são maravilhosamente adaptados para esmagar a couraça dura das tartarugas, e quebrar os tegumentos extremamente duros dos jacarés e crocodilos (Biknevicius and Van Valkenburgh 1996). Em contrapartida, o puma tem uma cabeça relativamente pequena, com dentes caninos relativamente delgados (Emmons, 1987,1989).

Emmons (1989) estima que uma única tartaruga terrestre grande pode satisfazer as necessidades alimentares diárias de 1,4 quilos de carne da onça-pintada.

Nos Llanos da Venezuela, tanto a onça-pintada quanto o puma alimentaram-se de jacaretingas (Caiman crocodilus) que pesavam menos de 15 Kg, porém apenas a onça-pintada alimentava-se desses animais acima de 15 Kg (Scognamillo et al. 2003).


Predação de Mamíferos Encouraçados

A onça-pintada também é especializada em se alimentar de mamíferos encouraçados. Por exemplo, na Reserva da Biosfera Maia na Guatemala, restos de tatus-galinha (Dasypus novemcinctus) foram encontrados seis vezes mais freqüentemente nos excrementos da onça-pintada do que nos do puma (Novack et al., 2005).

Predação de Macacos

Na Reserva da Biosfera Maia na Guatemala, restos de macacos-aranha (Ateles geoffryii) e de bugios-pretos (Alouatta pigra) foram encontrados sete vezes mais freqüentemente nos excrementos de puma do que nos de onça-pintada (Novack et al., 2005). No Parque Nacional de Corcovado, na Costa Rica, Chinchilla (1997) também constatou que era mais comum encontrar restos de macacos nos excrementos de puma do que nos de onça-pintada.

Diferenças de Habitat

Os habitats da onça-pintada encontram-se geralmente mais próximos à água do que os do puma. Por exemplo, Emmons (1987) comparou o uso de habitats da onça-pintada e do puma ao longo de um afluente do rio Amazonas a leste do Peru, e constatou que as onças-pintadas utilizavam os habitats ribeirinhos mais freqüentemente do que os pumas. No interior da floresta, distante do rio, Emmons encontrou pegadas de onça-pintada em 35 dias e de puma em 32 dias, sugerindo o mesmo uso do habitat por esses dois felinos. Entretanto, ao longo das margens de lagos e rios, Emmons encontrou pegadas de onça-pintada em 39 dias e do puma em apenas 5 dias. Além disso, relatou que o puma foi visto apenas uma vez em local aberto ao longo do rio tomando sol sobre um tronco, enquanto a onça-pintada geralmente era vista descansando, tomando sol ou caminhando nas praias de rios e lagos, e era possível seguir suas pegadas por milhares de metros nessas praias e bancos de lama na estação seca.

Portanto, a capacidade de a onça-pintada se alimentar de répteis, que eram abundantes nos trópicos no passado (veja item 4 acima), correlaciona-se com o uso mais freqüente de habitats próximos à água (Emmons, 1987,1989). Observações de outros pesquisadores estão em conformidade com as conclusões de Emmons. Por exemplo, na região do Pantanal, Schaller e Crawshaw (1980) relataram que há um maior número de pumas em vegetações secas, enquanto a onça-pintada encontra-se com mais abundância em vegetações úmidas.

Em grandes talhões de florestas (áreas maiores que 300 hectares) nos Llanos venezuelanos, geralmente encontra-se a onça-pintada e o puma a 500 metros dos limites da floresta (Scognamillo et al. 2003). Entretanto, a probabilidade de se encontrar a onça-pintada no interior da floresta é duas vezes maior do que a de se encontrar o puma (isto é, a mais de 500 metros dos limites da floresta).


Diferenças Temporais

Nos lhanos da Venezuela, a onça-pintada e o puma mostram diferenças significativas em padrões de atividades. Ambos os felinos são mais ativos (isto é, movimentam-se mais) à noite do que durante o dia. Entretanto, na estação chuvosa, a onça-pintada é mais ativa do que o puma durante o dia, enquanto o último é mais ativo do que a onça-pintada à noite (Scognamillo et al., 2003). Durante a estiagem, os pumas são mais ativos do que as onças-pintadas durante o dia e a noite (Scognamillo et al., 2003).

Uma explicação dada à maior movimentação do puma à noite é que este animal caça presas menores e mais difíceis de serem encontradas em comparação com a onça-pintada, e portanto precisa dedicar mais tempo em sua busca (Scognamillo et al., 2003).


Predação sobre Mesocarnívoros

Como outros grandes mamíferos carnívoros, tanto a onça-pintada como o puma se alimentam de carnívoros menores (Palomares & Caro, 1999). Por exemplo, em um estudo mexicano, a segunda presa mais freqüente encontrada nos excrementos da onça-pintada e do puma foi o quati (Nasua nasua) (Aranda & Sanchez-Cordero, 1996). Em outro estudo mexicano, a predação pela onça-pintada e pelo puma foi responsável por cerca de metade de toda a mortalidade de quatis adultos (Hass & Valenzuela, 2002).

Na Reserva da Biosfera Maia na Guatemala, restos de quatis foram encontrados 22 vezes mais freqüentemente nos excrementos da onça-pintada do que nos do puma (Novack et al., 2005).

Nos Llanos da Venezuela, restos de mão-pelada (Procyon cancrivorus) foram encontrados em 5% dos excrementos da onça-pintada (Scognamillo et al. 2003). Além disso, a jaguatirica (Leopardus pardalis) foi reportada como presa da onça-pintada na Venezuela e na Costa Rica (Mondolfi & Hoogestijn, 1986; Chinchilla, 1997).


Referências

Aranda M, Sanchez-Cordero V (1996) Prey spectra of Jaguar (Panthera onca) and Puma (Felis concolor) in tropical forests of Mexico. Studies of Neotropical Fauna and Environment 31: 65-67

Azevedo FCC (2008) Food habits and livestock depredation of sympatric Jaguars and Pumas in the Iguacu National Park area, south Brazil. Biotropica 40: 494-500

Biknevicius AR, Van Valkenburgh (1996) Design for killing: craniodental adaptations of predators. Carnivore Behavior, Ecology and Evolution 2: 393-428 (Cornell University Press, New York)

Bodmer RE (1991) Influence of digestive morphology on resource partitioning in Amazonian ungulates. Oecologia 85: 361-365

Carrillo E, Morera R, Wong G (1994) Depredacion de tortuga lora (Lepidochelys olivacea) y de tortuga verde (Chelonia mydas) por el jaguar (Panthera onca). Vida Silvestre Neotrop. 3: 48-49

Chinchilla FA (1997) La dieta del jaguar (Panthera onca), el puma (Felis concolor) y el manigordo (Felis pardalis) en el Parque Nacional Corcovado, Costa Rica. Revista de Biologia Tropical 45: 1223-1229

Crawshaw P, Quigley H (1984) A ecologia do jaguar ou onca pintada no Pantanal. Relatorio entreque ao Instituto Brasileiro de Desenvolvimento florestal. IBDF/DN, Brasilia

Emmons LH (1987) Comparative feeding ecology of felids in a neotropical rainforest. Behavioral Ecology and Sociobology 20: 271-283

Emmons LH (1989) Jaguar Predation on Chelonians. Journal of Herpetology 23: 311-314

Farrell LE, Romant J, Sunquist ME (2000) Dietary separation of sympatric carnivores identified by molecular analysis of scats. Molecular Ecology 9: 1583-1590

Foster RJ, Harmsen BJ, Valdes B, Pomilla C, Doncaster CP (2009) Food habits of sympatric jaguars and pumas across a gradient of human disturbance.

Foster RJ, Harmsen BJ, Doncaster CP (2010) Habitat use by sympatric jaguars and pumas across a gradient of human disturbance. Biotropica 42: 724-731

Guggisberg CAW (1975) Wild Cats of the World. David & Charles, London

Garla RC, Setz EZF, Gobbi N (2001) Jaguar (Panthera onca) food habits in Atlantic Rain Forest of Southeastern Brazil. Biotropica 33: 691-696

Harmsen BJ, Foster RJ, Silver SC, Ostro LET, Doncaster CP (2009) Spatial and temporal interactions of sympatric jaguars (Panthera onca) and Pumas (Puma concolor) in a Neotropical forest. Journal of Mammalogy 90: 612-620

Hass CC, Valenzuela D (2002) Anti-predator benefits of group living in white-nosed coatis (Nasua narica). Behavioral Ecology and Sociobiology 51: 570-578

Hoogesteijn R, Hoogesteijn A, Mondolfi E (1993) Jaguar predation and conservation: cattle mortality caused by felines on three ranches in the Venezuelan Llanos. Symposia of the Zoological Society of London 65: 391-407

Iriarte JA, Franklin WL, Johnson WE, Redford KH (1990) Biogeographic variation of food habits and body size of the American puma. Oecologia 85: 185-190

Maxit IE (2001) Prey Use by Sympatric Jaguar and Puma in the Venezuelan Llanos. MS Thesis, University of Florida, Gainesville.

Mondolfi E, Hoogesteijn R (1989) Notes on the biology and status of the Jaguar in Venezuela. In: Miller SD, Everett DD (eds) Cats of the World: Biology, Conservation and Management. National Wildlife Federation, Washington DC, pp 85-123

Novak AJ, Main MB, Sunquist ME, Labisky RF (2005) Foraging ecology of jaguar (Panthera onca) and puma (Puma concolor) in hunted and non-hunted sites within the Maya Biosphere Reserve, Guatemala. Journal of Zoology 267: 167-178

Núñez R, Miller B, Lindzey F (2000) Food habits of jaguars and pumas in Jalisco, Mexico. Journal of Zoology 252: 373-379

Palomares F, Caro TM (1999) Interspecific killing among mammalian carnivores. American Naturalist 153: 492-508

Polisar J, Maxit I, Scognamillo D, Farrell L, Sunquist ME, Eisenberg JF (2003) Jaguars, pumas, their prey base, and cattle ranching: ecological interpretations of a management problem. Biological Conservation 109: 297-310

Roth V (1941) Animal Life in British Guiana. The "Daily Chronicle" Ltd., Georgetown.

Salas LA (1996) Habitat use by Lowland Tapirs (Tapirus terrestris L.) in the Tabaro River valley, southern Venezuela. Canadian Journal of Zoology 74: 1452-1458

Schaller GB (1980) Movement patterns of Jaguar. Biotropica 12: 161-168

Schaller GB (1983) Mammals and their biomass on a Brazilian Ranch. Arquivos de Zoologia (Sao Paulo) 31: 1-36

Scognamillo DG (2001) Ecological Separation between Jaguar and Puma in a Mosaic Landscape in the Venezuelan Llanos. MS thesis, University of Florida, Gainesville.

Scognamillo DG, Maxit IE, Sunquist M, Polisar J (2003) Coexistence of Jaguar (Panthera onca) and Puma (Puma concolor) in a mosaic landscape in the Venezuelan llanos. Journal of the Zoological Society of London 259: 269-279

Silveira R da, Ramalho EE, Thorbjarnarson JB, Magnusson WE (2010) Depredation by jaguars on caimans and importance of reptiles in the diet of jaguar. Journal of Herpetology 44: 418-424

Taber AB, Novaro AJ, Neris N, Colman FH (1997) The Food Habits of Sympatric Jaguar and Puma in the Paraguayan Chaco. Biotropica 29: 204-213
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Predação sobre Jacaré-Açu / Jacaré-tinga

Mensagem  Daniel T em Sab Dez 17, 2011 7:16 pm

Segundo o Artigo "USO DO HABITAT E DIETA DA ONÇA PINTADA (PANTHERA ONCA) EM UMA ÁREA DE VÁRZEA, RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ, AMAZÔNIA CENTRAL, BRASIL."

Pág 12
"Foram considerados adultos todos os jacarés-tinga com mais de 1,3
metros e jacarés-açu com mais de 2,5 metros."

Pág 14
"Foram identificados cinco jacarés-tinga, dois
jacarés-açu, duas preguiças-bentinho e uma marreca..."

"Em média, o comprimento total
dos indivíduos foi de 1.4 metros. Os jacarés-açu eram um jovem e um adulto, com 1,5
m e 3 metros de comprimento total respectivamente."

"As carcaças de jacaré-açu foram encontradas na margem de um lago e estavam a
apenas cinco metros uma da outra. Estas duas presas foram consumidas no mesmo
período, e os sinais de luta no capim, na área alagada ao lado de onde as carcaças foram
encontradas, descarta a hipótese de que estas tenham sido consumidos como carniça. A
partir das pegadas encontradas no local, foram identificados ao menos três indivíduos
distintos de onça-pintada, que usaram o local ao mesmo tempo. Provavelmente estas
pegadas eram de uma mãe com dois filhotes sub-adultos."
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Onça-Pintada (Panthera onca)

Mensagem  savinti69 em Sab Nov 17, 2012 9:37 am

avatar
savinti69

Mensagens : 483
Data de inscrição : 15/09/2012
Idade : 34
Localização : grandola

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Onça-Pintada (Panthera onca)

Mensagem  Lion em Qua Out 02, 2013 6:35 am

http://www.cinemaemcena.com.br/plus/modulos/noticias/ler.php?cdnoticia=45420

Robo cop
O rugido ameaçador do ED-209 é o de um jaguar. Já quando o robô cai e não consegue se levantar, são os gritos de um porco.
avatar
Lion

Mensagens : 192
Data de inscrição : 04/02/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Onça-Pintada (Panthera onca)

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum