Habitat hipotético fechado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Sab Out 01, 2016 12:56 pm

Vamos imaginar que uma extensão territorial que ocupa os dois estados do Mato Grosso, São Paulo e toda região Sul e sem a presença humana. Ela foi literalmente fechada por uma muralha intransponível para os animais que ali vivem e modificado um pouco para abrigar algumas espécies de animais de outros locais do Planeta para que 3 espécies felinas pudessem interagir neste bioma gigantesco a fim de se estabelecer um animal dominante que seria considerado o apex predador mamífero deste lugar. Os concorrentes deste habitat grande hipotético seriam o Puma, o Jaguar o Leopardo e uma recente reconhecida subespécie de tigre, o Tigre malaio. Afim de equilibrar as coisas os que viveriam ali seriam as maiores subespécies de cada um, sendo que ali estariam livres para serem do tamanho máximo que sua espécie proporciona, tendo amplas chances de ali ocorrerem os casos extremos destas espécies com certeza.

CONCORRENTES DO COMPARATIVO

PUMAS
Os pumas deste comparativo teriam suas populações mescladas com exemplares seriam da região de Torres del Maine no Chile, atualmente os maiores que se tem notícia com pesos que podem chegar a 90 kg, do Colorado, Alberta e norte do Canadá.
Região de Torres del Maine.

Colorado

Alberta

Típico puma do Norte do Canadá( mesmo não sendo a origem do animal da foto as medidas serão as mesmas)

Torres Del Maine- Chile


LEOPARDOS
Os leopardos eu escolhi os da região do Lago Nakuru na Africa, os do Gabão, os que habitam próximo aos sopés das montanhas na Etiópia, os de Londollozi, do Sri Lanka, da região de Kabini na Índia e os persas, por serem de um clima parecido ao proposto e estes ficam bem grandes tb pois todos estes citados já  cotados a chegarem na casa dos 90 kg tb.
Lago Nakuru

Gabão

Etiópia

Londollozi

Sri Lanka

Kabini

Persa


JAGUARES
Os jaguares serão os Pantaneiros da região do Acurizal, Barranco Alto e Fazenda Caiman,os argentinos vindo das florestas de Yungas, Baritú, Grande Charco e Missiones, mais os exemplares do Lhanos na Venezuela.
Acurizal

Colombiano
Barranco alto

Vladimir
Fazenda Caiman

Yungas

Baritú

Grande Charco

Floresta de Missiones

Lhanos


TIGRE MALAIO
Durante muito tempo se os considerava uma população da Subespécie Indochina (Tigres da Indochina), até que os estudos moleculares mostraram que se tratava de uma nova subespécie.
A fêmea mais pesada chegou aos 88 kg, e o macho mais pesado aos 129,1 kg, sendo assim a subespécie de tigre mais pequena (com uma média e patente inferior à do tigre de sumatra).
Belo animal. Terá de ser incorporado ao habitat hipotético 1 por causa destas medidas que batem legal com algo equilibrado ao que lá já existe. Se os maiores machos pesam 129 kg, as médias devem estar entre 80 e 95 kg, o que credencia tranquilamente a estar entre os animais do comparativo.





Imagine que pra isso, iríamos ter claro as áreas alagadas no Pantanal, mas cerrados e campos presente em parte do Mato Grosso e Minas Gerais, Florestas litorâneas dos Estados de São Paulo e do Sul, os Pampas e Serras do Sul. Muita cobertura vegetal de média e grande altura e Florestas pequenas como ilhas em campos que se vê aqui em São Paulo.

Seria uma enorme extensão de terra que abrigaria uns 70% do território do Brasil com climas diversos e relevo mais ainda.
Relevo da região Sul

Relevo do Sudeste

Relevo do Centro Oeste


COMPETIDORES/POSSÍVEIS INTERAÇÕES

Como competidores naturais não felinos e felinos menores:
Felídeos: Pantera nebulosa, Lince ibérico e Caracal.
Pantera nebulosa

Lince ibérico

Caracal


Ursídeos: Urso negro americano, urso preguiça e urso negro asiático.
Urso negro americano

Urso preguiça

Urso negro asiático


Mustelídeos: Carcaju, Ratel e Ariranhas
Carcaju

Ratel

Ariranha


Canídeos: Dholes, Mabecos, Lobos indianos( com comportamento social e alcateias iguais as do Parque Nacional de Yellowstone) , Coiotes, Chacais dourados.
Dhole

Mabeco

Lobo indiano

Coiote

Chacal dourado


Hyaenídeos: Hiena marrom e a listrada, ajuste para o porte dos felinos menores e elas iriam agir e viver em clãs como as supremas malhadas.
Hiena listrada

Hiena marrom


Répteis:Jacarés do Pantanal, do papo amarelo, crocodilos de Cuba, monitores asiáticos, sucuris verdes, amarelas e pítons das rochas.
Jacaré do Pantanal

Crocodilo de Cuba

Monitor asiático

Sucuri verde

Sucuri amarela

Píton das rochas



Como seriam as interações neste hipotético e singular bioma? Como seria o desempenho de caça destes participantes em cada família de presas, ou seja, quem seria o caçador mais capaz e porquê? Como seria a interação deles com os mesocarnívoros e onívoros maiores? Quais destes animais predadores competidores dariam mais trabalho a eles? Quem seria o predador dominante na maioria esmagadora das interações entre eles, haveria alguma interação intraguilda?

VOCABULÁRIO DE AJUDA:
Predação intraguilda: É a predação de eventuais competidores. Esta interação é uma combinação entre a predação e competição, porque ambas as espécies pertencem à mesma guilda, utilizando o mesmo tipo de recursos alimentícios e podem se beneficiar de predar um ao outro.Visto que o predador dominante ganha os benefícios duplos de se alimentar e eliminar competidores, a predação intra-guilda tem considerável efeito na estrutura das comunidades ecológicas.
Predador dominante ou superpredador:Superpredador, também conhecido como predador alfa, é um tipo de predador que está no topo de uma cadeia alimentar, ou seja, quando não há outras criaturas superiores.Os superpredadores são geralmente definidos em termos de dinâmica trófica, ou seja, essas espécies de seres vivos ocupam o mais alto nível trófico e desempenham um papel crucial na manutenção da saúde dos seus ecossistemas. Como acontece na África, apesar de existirem muitos predadores, apenas um ocupa esta posição em toda trama e acaba sendo um predador acima de predadores, muitas vzs assegurando seu domínio com intimidação ou eliminação dos outros predadores.


Última edição por reptilesporosus em Seg Out 24, 2016 7:47 am, editado 10 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Sab Out 01, 2016 3:32 pm

PRESAS DO SUPER HABITAT

O leque de presas seria uma mescla do que eles enfrentam em seus locais de origem e assim poderíamos postular sobre as interações de todos eles com tais presas e competidores.
As presas seriam por famílias.
Cervídeos- Alce, Uapiti, Caribu,  Cervo do Pantanal, Sambar, Axis, Veado Dama.
Possivelmente alguns habitariam em campos e cerrados presentes no Pantanal, Minas Gerais, São Paulo e região Sul de forma geral.
Alce

Uapiti

Caribu

Cervo do Pantanal

Sambar

Axis

Veado Dama

Alcelaphinídeos - Gnu, Gnu vermelho ou de cauda branca( muito elogiado pelo AJ Noventa) , Antílope Bubalú.
Talvez a ocorrência deles fosse ocupar todos os campos e cerrados.
Gnu

Gnu de cauda branca

Antílope Bubalú


Hippotraginídeos - Addax,Órix, Palanca negra, Antílope Roan,
Addax

Órix

Palanca negra

Antílope Roan


Reduncinaídeos - Antílope lechwe

Bovinídeos- Nilgó, Eland, Grande Kudu, Niala, Búfalo cafre anão, Kouprey.
Nilgó

Elandes e Grande Kudu

Niala

Búfalo cafre anão

Kouprey


Camelídeos- Guanaco

Antilocaprídeos- Antilocapra

Pecarídeos- Queixada, Cateto, Cateto gigante, Cateto da América Central e México.
Queixada

Cateto

Cateto gigante

Cateto da América Central e México

Suinídeos- Facócero, Porco monteiro, Porco do mato gigante, Javali barbudo.
Facócero

Porco monteiro

Porco do mato gigante

Javali barbudo


Tapirídeos- Todos presentes na América do Sul
Tapir andino

Tapir Komani

Tapir de Bairdii

Anta comum


Roedores- Capivara, Pacairama, Porco espinho africano e norte americano
Capivara

Pacaraima

Porco espinho americano

Porco espinho africano


Dasypodídeos- Tatu canastra

Myrmecophagídeos- Tamanduá bandeira

Smutisídeos - Pangolin gigante

Caprinos - Takin, Ibex
Takin

Ibex

Equinos- Zebra

Primatas- Orangotangos, Gorilas da Montanha e Babuínos verdes.
Orangotango

Gorila da Montanha

Babuíno verde.


Última edição por reptilesporosus em Sab Out 01, 2016 3:59 pm, editado 1 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  Puma concolor em Sab Out 01, 2016 3:41 pm

Estudo que fala sobre a média de presas de pumas e jaguares observadas nas Selvas Mayas, Guatemala. O nome do artigo é DIETA, USO DE HÁBITAT Y PATRONES DE ACTIVIDAD DEL PUMA (Puma concolor) Y EL JAGUAR (Panthera onca) EN LA SELVA MAYA. Segue aqui alguns trechos: “Os pumas consumiram pelo menos 17 espécies de presas diferentes. Das quais os mamíferos correspondem a 95% e as aves 5%, que em termos de biomassa correspondem (Figura 2). As presas grandes (>15 kg), compõem 53% da biomassa consumida (figura 2). Não se encontraram restos de presas pequenas nas excretas analisadas. O grupo de veados compõe por si só 44% da biomassa consumida pelo puma, seguida em ordem de importância pela paca (Agouti paca), que compõe 12%. O peso médio das presas vertebradas para o puma foi de 9,12 kg.
Os jaguares consumiram pelo menos 17 espécies de presas diferentes, das quais os mamíferos correspondem à 93% da biomassa consumida, as aves correspondem a 5% de biomassa consumida e os répteis compõem somente 2% da biomassa consumida na dieta do jaguar (Figura 2). Ordenadas por tamanho, as presas grandes compõem 43% de biomassa consumida, presas medianas compõem 56% da biomassa consumida (Figura 2). O peso médio de presas vertebradas para o jaguar foi de 8,89 kg.
O jaguar apresentou um padrão de dieta seletiva, na qual a ordem de preferência (por biomassa consumida), as presas principais foram o caititu (Tayassu tajacu), quati-de-nariz-branco (Nassua narica) e o tatu, as quais foram caçadas em uma maior abundância. As espécies menos consumidas pelo jaguar foram os javalis e macacos.”
O puma teve uma tendência maior a ser crepuscular 06:00-08:00 e 18:00-20:00. Já o jaguar foi mais ativo no horário noturno, entre 19:00 e 02:00. Tanto jaguares quanto pumas foram mais ativos à noite que de dia (Figura 5), não sendo encontrada uma diferença significativa no padrão de horários entre os dois. Os dois animais se distribuíram de forma similar entre o pedaço de Bosque Baixo e Alto.” (...) “O puma preferiu na média, presas ligeiramente maiores que o jaguar, as quais são principalmente veados. Estas observações concordam com o padrão observado por Novack e colaboradores (2005). Isto se explica em parte pelo fato de que na Selva Maya, os jaguares são relativamente mais pequenos, se comparados com os da América do Sul (Hoogestein e Mondolfi, 1996), sendo em ocasiões inclusive mais pequenos que os pumas, tal é o caso de alguns jaguares fêmeas comparados com pumas machos (Obs. Pers. De indivíduos cativos e em liberdade). Ainda que a diferença de tamanho das presas consumidas possam estar ligeiramente exageradas pelo fato de haver medido o peso dos bezerros com os de veados-de-cauda-branca, a tendência se coincide com o observado na realidade na que os pumas consumiram uma grande quantidade de veados, o terceiro animal mais pesado na Selva Maya, depois do tapir e do javali, os quais estiveram muito pouco representados na dieta de ambos os felinos."

"A importância de presas de tamanho grande (>15 kg) não concordou com sua disponibilidade na média (Novack, et al. 2005; Radachowsky, 2004), pelo que se evidencia a preferência
por esse grupo. No entanto, no Neotrópico existem poucas especies que possam considerar-se como realmente grandes e somente o tapir e o javali adultos poderiam exceder o limite de uma presa de fácil sobrepasar el limite de uma presa fácil de subjugar (?) para ambos os predadores. Os jaguares de fato atacam tapires, mas em muitas ocasiões não conseguem derrubá-los ou matá-los (Emmons, 1987 y Obs. Pers). Em contraste, as especies sujetas a maior predação possuem un tamanho adequado para ser subjugados e caem na área de sobreposição (?) entre ambos predadores. Neste caso, os caititus e quatis estiveram nesta classe. Por esta razão se espera que estas especies apresentem condutas particularmente crípticas (caso que não ocorre) ou tenham altas taxas reprodutivas para compensar as pressões de ambos os felinos. Ainda que jaguares e pumas estejam caçando um número similar de presas nas Selvas Mayas (17 em ambos os casos, porém nem todas iguais), a amplitude do nicho trófico do jaguar indica que ele esteve caçando uma maior variedade de presas em contraste com as realizadas pelo puma. A seletividade dos pumas a veados poderia explicar essa diferença. " (pág. 36).

"Os caititus e os quatis são espécies que vivem em grupos. Se reconhece que espécies que vivem em grupo podem resultar em um maior risco de feridas para os predadores (Sunquist e Sunquist, 1989) levando o predador a evitar estas espécies. No entanto, devido à falta de associação de caititus com as águas (?) e os quatis com os solos úmidos, parecem incrementar a detecção e vulnerabilidade para serem serem selecionados pelos predadores. Esta seletividade sugere que o jaguar em especial, elegeu com base no ganho de energia e não no risco de ferir-se (Sunquist e Sunquist, 1989). Por outro lado, a baixa densidade e a maior agressividade do javali (outra espécie que vive em grupos), podem estar contribuindo para a diferença no nível de predação desta espécie com as outras espécies gregarias. A diferença na dieta do puma e do jaguar na Selva Maya sugere que estes felinos simpátricos tem se adaptado para dividir os recursos alimentares escassos no meio, que neste caso são os que constituem o grosso de suas dietas. Este padrão tem sido observado também em em outros estudos, como o relatado nos Llanos da Venezuela (Polisar, 2000; Scognamillo et al. 2003) e para o tigre (Panthera tigres), leopardo (Panthera pardus) e cão-selvagem-indiano (Cuon alpinus) na Índia (Karanth y Sunquist, 1995), de tal maneira que se reduz a competição interespecífica. No entanto, ainda que possuam uma grande flexibilidade no tipo e quantidade de presas que podem capturar, e ainda que ambos os felinos não sejam completamente generalistas, seguem um padrão de alimentação oportunista. Como predadores eficientes, aceitam as presas potenciais que encontram quando o alimento é escasso ou imprevisível e apresentam uma grande seletividade quando o alimento é común (Emler, 1966; MacArthur y Pianka, 1966; Sunquist & Sunquist, 1989). Com base no anterior, a amplitude do nicho trófico e o contexto de diversidade potencial de presas, pode refletir que a Selva Maya no é pobre em abundância de presas." (pág.37).

J"á que o puma geralmente ataca com uma investida de frente ou pela lateral (?) e procura uma mordida no pescoço, geralmente na garganta (Obs. Pers.; Currier, 1983; Hoogesteijn, 2001). Este tipo de ataque aproveita a maior habilidade cursorial que possui o puma frente ao jaguar (Aranda, 2002), já que alcançar uma grande velocidade acumula muita inércia, a qual é o suficiente para derrubar a presa em uma investida realizada no pescoço. Esta técnica é especialmente efetiva para subjugar presas do tipo
“veado”, onde o pescoço é relativamente largo e vulnerável na parte anterior. Em contrapartida,o jaguar tende a agarrar suas presas pela parte posterior ou lateralmente, dirigindo sua investida na nuca ou na base do crânio. Aproveitando o peso de seu corpo e a potência de suas mandíbulas, alcança, quebra a espinha dorsal e em ocasiões perfura o crânio (Seymour, 1989; Emmons, 1987). Esta técnica pode haver sido desenvolvida para matar mais
eficientemente os taiassuídeos os quais diferente dos cervideos, possuem um pecoço curto e menos vulnerável. Assim também atacam por trás se colocando uma maior distância entre o predador e os perigosos dentes caninos que possuem os taiassuídeos para a defesa. Esta diferença nas técnicas de ataque se vê también evidenciada nos vários aspectos morfológicos de ambas especies. Por exemplo o puma possui patas e caudas largas, muito úteis para correr e manobrar em alta velocidade. possui também um focinho curto e dentes caninos relativamente pequenos, adequados para morder o pescoço e matar por estrangulamento ou asfixia ao comprimir a traquéia da presa (Currier, 1983). Em comparação, o jaguar possui patas curtas
e um corpo mais musculoso, perfeitamente adaptado para saltar sobre la presa, a cual mata generalmente ao quebrar a nuca só com a força do salto. Em outras ocasiões utiliza suas potentes mandíbulas e caninos para perfurar o crânio (Obs. Pers.; Aranda, 1994), diferente de outros felinos, rara vezes mata por estrangulamento (Seymour, 1989)."
avatar
Puma concolor

Mensagens : 158
Data de inscrição : 05/12/2011
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  Puma concolor em Sab Out 01, 2016 4:29 pm

Ainda abordando o estudo feito nas Selvas Mayas e indo na linha do que o Otniel falou, a respeito das onças da Guatemala, de acordo com o artigo, não matarem por asfixia, gostaria de fazer uma observação, mas sobre os pumas. Pumas matam com mordidas na base do crânio e rompendo as vértebras cervicais de animais de porte médio. Incluo como exemplo de porte médio até mesmo algumas espécies de cervídeos, a partir de uma sequência de fotos bem conhecida de um puma agarrando um cervo pela nuca. Esse tipo de técnica de finalização é abordado tanto no livro Cougar - Ecology and Conservation quanto pela Mountain Lion Org, que complementa dizendo que os pumas utilizam a técnica da asfixia como último recurso. Presas grandes ele busca matar agarrando o pescoço, realizando movimentos para trás e para baixo. A seguir, os trechos, com suas respectivas fontes.

Cougar - Ecology and Conservation: "A região da garganta é o local comum para mordida de pumas que estão atacando presas grandes, como elks adultos, carneiros-monteses ou alces. Em contrapartida, presas médias e pequenas como coiotes e outros pumas, podem ser mortos com mordidas letais na parte de trás do crânio ou nas vértebras cervicais."


[img][/img]
avatar
Puma concolor

Mensagens : 158
Data de inscrição : 05/12/2011
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  Puma concolor em Sab Out 01, 2016 4:38 pm

"A presa é normalmente morta com uma mordida na parte de trás do pescoço, na base do crânio. Os grandes caninos são
inseridos entre as vértebras como uma cunha, forçando as vértebras para além e quebrando a medula espinhal. A velocidade com que isso ocorre indica a concentração de nervos em seus caninos e permite o gato "sentir" o caminho para as vértebras em uma fração de segundos. No caso de presas maiores, como os uapitis, o pescoço é quebrado, puxando a cabeça para baixo e para trás, quebrando-o diretamente ou em uma queda. Se isto falhar o puma pode segurar a garganta, esmagando a traqueia. Isto necessita da morte através da asfixia e leva mais tempo, expondo o puma a possíveis lesões." (Tradução minha, então qualquer erro, podem corrigir).


Fonte: http://www.mountainlion.org/CAL_ch4.asp
avatar
Puma concolor

Mensagens : 158
Data de inscrição : 05/12/2011
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  Puma concolor em Sab Out 01, 2016 4:40 pm

Uma terceira fonte que também fala sobre isso, seria esse site, falando inclusive da diferença de técnica de finalização adotada por leões em relação aos pumas: "Alguns felinos matam instantaneamente com uma mordida que desloca as vértebras cervicais, cortando a medula espinhal, por exemplo os pumas nos EUA. Este não é o caso dos leões, que são estranguladores ou sufocadores."

Fonte: https://www.edge.org/conversation/lions-africa-39s-magnificent-predators
avatar
Puma concolor

Mensagens : 158
Data de inscrição : 05/12/2011
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  Puma concolor em Sab Out 01, 2016 5:41 pm

Resta saber se o método de mordidas na base do crânio ou partindo as vértebras é exclusivo dos pumas norte-americanos ou se alguns da América Central e América do Sul (especialmente as maiores subespécies) se utilizam dessa técnica para animais de porte médio.
avatar
Puma concolor

Mensagens : 158
Data de inscrição : 05/12/2011
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Opinião

Mensagem  Daniel T em Seg Out 03, 2016 10:45 am

Bom, tentei separar de forma mais compacta possível minha opinião:

Obs: Lógico que considero os ambientes envolvidos, determinados animais teriam predileção por regiões similares ao meio onde vivem (ex: Gnus que apreciam Savanas, acredito que teriam predileção por biomas parecidos como os Cerrados, e ali correriam maior risco de predação por Cougars que também poderiam se adaptar melhor nesses ambientes e evitar competições com os outros dois felídeos, muito embora isso pudesse se alterar com o tempo, em conta da oferta alimentar de material vegetal e diretamente ligado de matéria animal para carnívoros).


Ungulados

Acredito que os Ungulados (com uma tendência maior em Cervídeos) de pequeno e médio porte sofreriam maior predação do Cougar seguido do Leopardo, devido ao elevado índice de sucesso do Cougar/Puma de caçada dado principalmente a sua velocidade, enquanto que grandes Ungulados como o Alce e Elande sofreriam maior predação por parte do Jaguar, que poderia optar por mata-los com a clássica mordida na traqueia ou com sua brutal mordida na base do crânio, isso intimamente relacionado com a brutalidade do predador/presa, mesmo que se deparassem poucas vezes.


Mesocarnívoros (mamíferos carnívoros e onívoros menores)

Em relação a mesocarnívoros o Leopardo parece ser o predador mais oportunista, digamos (e também o mais estrategista, por usar mais as árvores), embora geralmente prefira predar Ungulados, quando disponíveis. Mas em relação aos demais, talvez manteria esse padrão, buscando predar animais que passassem perto das árvores geralmente, mas teria maiores dificuldades em predar animais como o Carcaju (já que já demonstrou dificuldades na predação até mesmo com o Ratel, que é menor), muitas vezes creio que desistiria desse tipo de predação, ainda mais tendo um leque maior de presas a oferta. Esse cargo talvez ficasse por conta do Jaguar, ocasionalmente acredito que ele teria maiores condições de fazê-lo em teoria, principalmente por conta da sua mordida na base do crânio.
Obs: Nesse meio poderíamos ter uma das maiores batalhas proporcionais na minha opinião, alheia aos 3 grandes felinos, seria um duelo a parte, “Carcaju vs Panthera Nebulosa”!!


Porcos em Geral

Aqui incluindo tudo, desde Cateto até Javali, também pela questão da brutalidade e mordida na base do crânio creio que o Jaguar teria maior efetividade e tendência de predação nesses animais, mesmo os grandes, seguido do Leopardo que abate Facocheros da forma que der, as vezes de forma bem sinistra (abrindo o peito rs) e depois o Cougar, que vejo como um predador que se arrisca menos com presas perigosas como essas, todavia ocasionalmente poderia fazer com algumas.


Macacada / Babuínos

Bom, esses acredito que estariam bastante vulneráveis a predação dos 3, em teoria ainda vejo o Jaguar como tendo maior facilidade de abate com mordida no crânio, todavia o Leopardo e Cougar sendo simpátricos com o Jaguar, eles talvez adotassem uma vida ainda mais arborícola com o passar das gerações, o que seria muito ruim para os Babuínos, e como o Leopardo os preda naturalmente (apesar dos riscos, as vezes a gangue se defende), acredito que ele manteria esse padrão a ainda seria o maior predador de Babuínos.


Porco Espinho

Bom, o Porco Espinho Americano comparado com os Africanos ou Asiáticos não oferece tantos riscos, esse primeiro creio que poderia sofrer predação em escala igual por qualquer um dos 3 felinos, todavia os Porcos maiores já seriam mais desafiadores. Como sabemos, o Leopardo é um predador natural dos mesmos, mas as vezes ele também se da mal, é arriscado, alguns leopardos ficam girando em torno dos porcos pra tentar saltar de frente (o que deve ser bem calculado, e ainda assim é arriscado), todavia a melhor técnica de abate seria uma já vista em vídeo, desferir patadas de baixo pra cima aos poucos no ventre do Porco, ir ferindo ele até ele morrer pelos mesmos, mas não é qualquer Leopardo que faz isso... rs Acho que para esse tipo de predação a brutalidade do Jaguar não seria a mais indicada, é um abate de paciência, estratégico, oportuno, se o Jaguar ou Cougar aprendessem a técnica das patadas no frente, obviamente poderiam fazer, mas a princípio seria só uma teoria, todavia os riscos nesse abate seriam altos para qualquer um dos 3 felinos, eu ainda arriscaria dizer que o Leopardo com seu oportunismo seria o principal predador.


Ursos Negros

Difícil estimar o que aconteceria aí, na maioria dos casos acredito que não ocorreria nada além de intimidação por qualquer uma das partes, mas se tivesse que arriscar em um animal que pudesse abater ocasionalmente os Ursos citados, também iria de Jaguar, uma mordida bem dada na base do crânio do Urso, e “zas”...


Dholes e Mabecos

Bom, as vezes eles formam grupos muito grandes, e isso poderia incomodar qualquer um dos 3 felinos, afinal, esses canídeos tem o corpo franzino por um motivo, agilidade e resistência pra percorrer grandes distâncias e também pra ficar pentelhando até conseguir alguma coisa. Acredito que grandes matilhas poderiam as vezes roubar presas abatidas, todavia um grande macho de algum dos 3 felídeos poderia ser mais persistente em lutar por ela, e aí... ? kkkk Só na pratica saberíamos...
E às vezes poderiam ser predados também, talvez mais pelo oportunista Leopardo, mas todos poderiam fazê-lo.


Presas habituais do Jaguar

Bom, aqui acho que não há muitas dúvidas, o Jaguar é comumente um predador de animais encouraçados e répteis predadores, além de animais grandes como Antas, além de ter melhores atributos aquáticos, de força bruta e força da mordida, não vejo como Cougar ou Leopardo ofuscariam esse título de presas na maioria dos casos.

Obs: Menção honrosa ao citado Crocodilo Cubano, que dizem ter uma agressividade muito alta, talvez até mais do que um Saltie. Sorte que ele não fica tão grande... mas na água seria encrenca se pegasse algum dos 3 felinos de surpresa, todavia um grande Jaguar também poderia predá-lo.

Obs 2: Com relação ao perigoso Tamanduá, confesso que talvez o oportunismo e sagacidade do esguio Leopardo pudessem o favorecer a surpreender o mesmo pelas costas, tenho certas dúvidas nessa predação ele não poderia ofuscar o Jaguar.


Búfalos citados

Bom, Búfalo é Búfalo rs... Mesmo os menores, são muito perigosos e fortes, oferecendo quase sempre resistência e periculosidade para seus predadores. Acredito que seriam predações mais ocasionais em geral (talvez um pouco mais frequentes em Búfalos anões) e com maior incidência do Jaguar em Búfalos adultos, enquanto que filhotes poderiam sofrer predação em igual escala por qualquer um dos 3 felídeos. Mas no geral, ainda acredito que Jaguar teria maiores índices de Predações.


Conflitos interespecíficos dos 3 Felinos


Por fim, com essa gama de presas diversas citadas, na minha modesta opinião, eles conseguiriam coexistir (sem afetar com o passar das gerações o tamanho deles, como já aconteceu com o Puma simpátrico com Jaguar, porém com uma gama de presas bem menor, onde o Puma consegue coexistir geralmente predando animais menores do que o Jaguar preda) com a dominância do Jaguar, que acredito que a teria na maioria dos casos mesmo que fosse de pesagem semelhante à dos demais, acredito é claro, mesmo com a resistência de um embate, em alguns casos poderiam ser mortos pelo mesmo (nesse caso não por predação, dada a grande gama de presas, mas sim por território, ou “eliminar a competição”, que é a postura que os grandes felídeos panterinos costumam adotar com felídeos menores, acho essa teoria possível de ocorrer).

Obs: Os 3 felídeos poderiam tentar se evitar passando a se adaptar em biomas e condições de vida mais específicas, com o andarilho Cougar passando a habitar mais o Cerrado e matas atlânticas e chapadas com grandes morros, onde ele poderia utilizar sua velocidade e salto como maior vantagem predatória e de locomoção; o Leopardo com sua vida bastante arborícola poderia se adaptar em qualquer dos biomas, contanto que tivessem árvores pra ele utilizar como casa praticamente, além de abrigo e muitas caçadas, e com o Jaguar tendo maior predileção pelos ambientes de matas mais fechadas e próximo de rios, lagos e alagados, todavia não estariam livres de se toparem e disputarem presas e terem conflitos mais violentos às vezes, apenas acredito que poderiam tentar adotar esses meios como recurso para evitar competição, dado o alto leque de presas disponíveis também.
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Sobre o material postado pelo Luã ou "Puma Concolor"

Mensagem  Daniel T em Seg Out 03, 2016 10:50 am

Olha, estudo interessante sim Luã Vieira, queria saber a média de pesos de Pumas e Jaguares nessas selvas da Guatemala, ao que parece, ambas estão intimamente ligadas com a disponibilidade e tamanho das presas disponíveis, em sua maioria parecendo ser presas de pequeno para médio porte (Javali estimo ser forasteiro ali se for o Sus, Tapir é a exceção, essa estou mais chutando que talvez tenham poucos exemplares e por isso a natureza privou os adultos de serem predados deixando os referidos felídeos menores me média).

Todavia, contudo, no entanto, o material também é claro, cada animal ainda predou mais dentro de suas características, o Puma tendo a maior predação e influência da massa corporal das presas em conta dos Veados e Pacas (onde na predação de veados ele tem a vantagem de velocidade principalmente) e o Jaguar se utilizando da característica marcante, a brutal mordida na base do crânio predando mais o caititu, quati-de-nariz-branco e o tatu. Uma diferença pequena entre a média de biomassa dessas presas a favor do Puma em virtude do peso dos Veados, no entanto, se formos analisar a capacidade de reação e agressividade dessas presas, a periculosidade envolvida nas predações, ainda noto o Jaguar com maior “potencial predatório”, digamos assim, já vimos em vídeo um Quati se defendendo bem contra um Jaguar (embora eu não tenha certeza se aquilo ocorreu na natureza, sem interferências) e dos Caitutos ou Catetos, se encurralados, creio que todos já viram o que podem fazer em vídeos.

O material me deu ainda mais convicção da minha análise teórica desses comparativos com predileção do Cougar por Ungulados (Cervídeos) e do Jaguar por animais encouraçados e de “pescoço duro”, digamos, enquanto que o Leopardo preferiria também Ungulados, mas numa alta competição se contentaria em ser oportunista com qualquer animal que estivesse por perto, isso tudo evitaria ao máximo a competição entre eles.

Mas... Como disse o Bruno Morais, imaginando que as vezes, ocasionalmente, ou num hipotético período de escassez, com certa normalidade, se eles tivessem que se enfrentar e disputar muito território, manteria tranquilamente o padrão de domínio do Jaguar, como eu disse por áudio, vejo um animal com as características marcantes já conhecidas e amplificadas por causa do porte do mesmo descrito no título deste tópico, acredito que ele esteja em outro patamar, no nível de Leoa pra cima.
avatar
Daniel T
Admin

Mensagens : 1114
Data de inscrição : 28/10/2011
Idade : 32
Localização : Curitiba

Ver perfil do usuário http://territorioselvagem.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Seg Out 10, 2016 9:52 am

Como ponto de partida queria deixar a ideia de status de cadeia alimentar destes 4 felinos. O estudo comparativo, começando pela análise da capacidade predatória, e que não parte da premissa do quão é importante a sua posição na cadeia alimentar e de seus concorrentes, já seria um estudo comparativo incompleto. Isto é importante, pois esta colocação não irá se basear apenas na capacidade do carnívoro de se alimentar de um número diverso de presas ou de matar presas grandes proporcionais ao seu tamanho ou até maiores, mas também de sua capacidade de manter sua caçada, ou até de tomar alguma carcaça frente a concorrência local; a capacidade de se defender e assim não se tornar presa ou ser eliminado por um concorrente tb é um fator de comparação. Um carnívoro em uma alta posição na cadeia alimentar tem todos estes fatores a serem considerados.

PUMA


Em habitats sul americanos onde não se sente a presença do grande panterino, pumas serão os maiores predadores. Os pumas norte americanos, apesar de maiores, tem em seus biomas a fortíssima concorrência  dos lobos, em alguns lugares a posição na cadeia é dividida de forma extremamente violenta, onde pumas são severamente castigados pelos canídeos sociáveis, muitas vzs até mortos, como acontece no Parque Yellowstone. O lobo foi introduzido no Yellowstone há apenas alguns anos, pois já se tinha extinto por lá ( é das espécies mais sensíveis à presença humana). O puma já lá existia. Entretanto, desde que o lobo lá entrou, não tem parado o número de pumas mortos por eles. Isto se tornou um problema tão sério que as entidades estão a repensar a sua estratégia ambiental de gestão da fauna. Mano a mano, acredito que pumas são plenamente capazes de derrotar os canídeos, mas o lobo geralmente anda em alcateias e o problema é que um puma nada pode fazer contra isso. Não devemos deixar de mencionar os onívoros, porém perigosos ursos negros e pardos e na Flórida os  grandes  aligatores e crocodilos americanos, bem como a nova concorrência de grandes constritoras invasoras. Sabemos é claro que pumas dão demonstrações de agressividade e coragem contra estes animais, mas em geral ele os evita devido as dificuldades e perigos já mencionados. Aqui no Brasil, principalmente no Pantanal o puma evita a todo custo o contato com a onça, pois além de ser mais forte este é um encontro perigoso e imprevisível.
Aqui no território proposto, vejo que pumas habitariam praticamente os mesmos biomas que ocupam atualmente, porém sem a presença humana, sendo tudo natureza livre de nossa influência, eles iriam se deslocar mais em campos aqui do Sudeste e no Sul, além de florestas costeiras e os montes, deixando mais livre área pantaneiras e as florestas mais densas por que com certeza seriam ocupadas pelos panterinos deste comparativo.
A área de ocorrência dos pumas deste comparativo provavelmente seria a do mapa abaixo.


LEOPARDOS

Com relação a leopardos, na Africa, eles estão entre os grandes predadores, mas vão ocupar posição abaixo de leões, grandes crocodilos e hienas como os top predadores africanos, alguns especialistas os colocam atrás da força conjunta que os grupos de mabecos empregam contra vítimas e concorrentes, mas isto é questão de ponto de vista. Na Ásia, leopardos tem papel de apex predadores em localidades isentas de tigres e grandes crocodilos de água salgada, estando a frente como predador de ponta contra felinos menores, canídeos, grandes constritoras, e onívoros como ursos beiçudos, ursos negros asiáticos e algumas subespécies simpátricas de ursos pardos, que não são predadores especialistas, mas perigosos animais que vivem em seus habitats. Na verdade os ursos são aquela presença que geralmente não compete diretamente por presas e nem interagem muito, contudo se provocados podem ser animais perigosos para qualquer um dos animais deste comparativo. Os bandos de dholes e hienas geralmente não deixam o felino em paz que por vzs pode matar animais solitários, mas como os lobos eles geralmente estão em bandos, por vzs bem numerosos e perigosos.
Aqui no território proposto, vejo que as subespécies que existem habitariam as faixas de todas as florestas de toda a Planície costeira, ao longo das Chapadas Diamantina, da Serra do espinhaço, Serra do Mar e Geral desde dos limites superiores deste território até parte do sul , sendo que os persas ocupariam toda esta área, as de ilhas em meio aos campos mais do Sudeste e Centro Oeste, assim como sopés de montes e a vegetação média da chapada dos Parasis até a Planície do Pantanal presentes no vasto território.


Última edição por reptilesporosus em Qua Out 12, 2016 4:36 pm, editado 4 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Seg Out 10, 2016 12:35 pm

TIGRE MALAIO

O status desta subespécie recentemente reconhecida não é limitada quando comparada a de primos maiores que habitam o restante do Sudeste asiático e Índia. Presente em seu habitat existem leopardos e ursos sol, mas geralmente se colocam em segundo plano na cadeia, assumindo um nível trófico inferior ao gato listrado. Eles não convivem com uma subespécie grande de leopardo a fim de se pontuar como seriam a relação deles quando visto a ter de lidar com outro carnívoro mais equilibrado. Os ursos de sol só são colocados em perigo com estes tigres geralmente, se estes forem animais bem jovens e filhotes, os adultos geralmente se defendem e se livram de predações contra estes tigres.
Eles são uma espécie chave da região juntamente com os leopardos controlando as populações de javalis presentes na região, além e porcos barbados. Tigre malaio também atacam jovens elefantes e rinoceronte bezerros, além de gado.
Aqui, para este comparativo, acredito que eles ocuparam um misto de biomas florestais com água a vontade e as áreas pantaneiras dada a facilidade de tigres nadarem e naturalmente gostar de morar perto de água. Acredito que eles habitariam menos parte da região sul mais fria e ocupariam em divisão territorial o restante dos habitats presentes no hipotético proposto.
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Seg Out 10, 2016 12:48 pm

JAGUARES

O animal como predador é um assunto que sozinho ocuparia uma fração enorme do assunto. No caso do jaguar, temos de fazer uma separação entre ele e seus concorrentes no que tange a posição na cadeia alimentar, ainda que se trate de animais exclusivamente carnívoros. O jaguar, assim como o tigre proposto, é um animal topo de cadeia em qualquer uma de suas áreas de ocorrência atualmente, muitas delas partilhadas com o puma e outras com grandes animais predadores como jacarés, crocodilos, sucuris, etc. Com realação ao jaguar, uma ressalva é válida de ser comentada. Esta posição que ocupa não se aplica somente em dias atuais, mas foi a posição que ela ocupou em épocas passadas ( ver a posição do jaguar em tempos de Mega fauna ) também e de forma bem acentuada, quando sua área de ocorrência permitia que ela residisse em biomas simpátricos a pumas norte americanos (Puma concolor coryi), lobos vermelhos ( Canis rufus), coiotes ( Canis latrans), linces vermelhos ( Linx rufus), aligatores ( Alligator mississipiensis) ursos negros( Ursus americanus floridanus) e pardos no México e em partes dos Estados Unidos ( Ursus arctos nelsoni). É claro que este posto acabava sendo dividido com pumas e ursos, ou aligatores enormes, como é aqui no Brasil com relação a jacarés açús gigantes e enormes sucuris, mas em geral o jaguar não é incomodado por outros predadores em seus domínios. Isto é possível em alguns lugares ainda, com relação a coiotes, linces vermelhos e pumas no México e algumas poucas onças que acredita-se terem chegado novamente aos Estados Unidos em áreas fronteiriças ao México. Sabe-se muito bem que em habitats simpátricos, pumas geralmente são menores que jaguares, e mesmo em algumas ocasiões onde podemos ver onças e pumas grandes( Puma concolor cabrerae) em um mesmo habitat; caso notado em locais na Argentina como no Parque Nacional Grande Chaco e os que vivem na região montanhosa da Província de Salta, mas, ainda assim veremos jaguares mais pesados e estruturalmente maiores e consequentemente o carnívoro dominante nestes biomas ( ver os animais monitorados pelo Red Yaguareté). Em alguns biomas a diferença será muito maior, como no Pantanal, onde as médias destes felinos podem ter diferenças de até 55 kg ou mais. Um carnívoro em uma alta posição na cadeia alimentar tem todos estes fatores a serem considerados.
Jaguares estão em uma posição alta nestes aspectos, já que um animal adulto não tem nada a temer, a não ser um grande crocodiliano em algum tipo de situação favorável. Sucuris nunca foram comprovadas como um possível animal a matar um jaguar adulto, já que isto nunca foi provado; o contrário não é raro e levando em consideração que leopardos fazem pítons mais rápidas que sucuris de gato e sapato, assim, para onças com uma mordida brutal isto é bem fácil tb. Qualquer estudioso ou pesquisador, na verdade sabe, que elas fazem parte da dieta de ambos panterinos mencionados. Ursos tb são animais temidos, mesmo os de aparência mais placida e compassiva podem ser perigosos e tem armas para isto. Atualmente a onça tem contato com apenas uma espécie de urso, o dos Andes( Tremarctos ornatus) e apesar das indicações de que eles eventualmente são mortos por jaguares e pumas,( ainda que detalhes de sexo e tamanho dos animais abatidos serem parcos) a raridade destes eventos deve-se ao fato de ursos serem ursos e não capivaras e guanacos. Dentro de seus biomas, jaguares, pumas, tigres malaios e leopardos tem posição de alto nível como predador de topo, mas jaguares e tigres se mantem em uma posição acima por não serem em quase momento algum importunados por qualquer concorrente em nível algum e por ser o algoz de qualquer animal da fauna onde habita, carnívoro ou herbívoro.
Aqui para o comparativo, acredito que os jaguares, assim como pumas, habitariam em toda a extensão de onde eles habitam na real, mas no caso específico deste comparativo, eles não se estabeleceriam na parte final do sul do País e em parte da Chapada de Parasis, mas bem poderia ocorrer tb nos sopés das formações destas regiões.
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Seg Out 10, 2016 1:37 pm

INTERAÇÕES - PRESAS

LEOPARDO



Assim como nos outros três concorrentes deste comparativo as histórias e estórias de predação e força deste felino são lendárias, algumas fantasiosas, o que é natural do ser humano. Leopardos são na verdade uma máquina perfeita de matar, um resultado natural impressionante de bio engenharia que proporciona ao predador interagir nos mais diversos habitas.
Grandes e eficientes predadores, leopardos não são exigentes quando se trata de sua dieta, comendo uma gama enorme de espécies diferentes. Enquanto fontes alimentares preferenciais de grandes felinos carnívoros são ungulados, como antílopes, gazelas, impalas, zebras e gnus eles se alimentam de muitos animais, podendo nos surpreender. Babuínos, lebres, roedores, aves, lagartos, porcos-espinhos, javalis, peixes e besouros são todos parte do extenso cardápio do leopardo. Esta dieta eclética ajudou leopardos sobreviverem em áreas onde outras populações de gatos grandes diminuíram ou nem existem. Quando o alimento é escasso, leopardos vão caçar presas menos desejáveis do que a presa outrora mais abundante. Esta flexibilidade também permite que o leopardo possa prosperar em uma variedade de configurações ecológicas, adaptando as suas papilas gustativas e técnicas de caça para coincidir com as fontes de alimento nativas da região em particular.
Nos campos de savana, onde o leopardo é mais comumente encontrado, sua presa principal são ungulados de tamanho médio, embora de modo algum seja o único tipo de animal que ele devora. Nas regiões montanhosas, um leopardo, muitas vezes, se alimenta do Hyrax , um animal que se assemelha a um porquinho da índia, e também de porcos-espinhos. Em um habitat de floresta, um leopardo se alimenta principalmente de pequenos antílopes ou pequenos primatas. No Monte Kilimanjaro, leopardos alimentam-se principalmente de roedores. Curiosamente, alguns leopardos que povoam ilhas geralmente sobrevivem com peixes compondo a maior parte de presas.Leopardos de ecossistemas semi desérticos podem comer de besouros a gazelas. A flexibilidade que eles apresentam em diversos biomas é impressionante, e traço comum de todos os concorrentes deste comparativo, mas as diversas situações diferenciadas de geografia permitindo uma gama vasta de habitas que vão de desertos a florestas densas permitem ao leopardo, dentro da grande lista de subespécies que possui demonstrar adaptabilidade enorme e um pouco mais abundante que de seus concorrentes, veja bem, um pouco, pois dentro das Américas podemos ter quase a mesma gama de habitats diferentes partilhados ou não pelo puma e o jaguar. Neste sentido o tigre perde em versatilidade para os outros.
T. L. Baley
"Estilo de caça do leopardo é essencialmente felino. É um agachado paciente, contando com furtividade e camuflagem. Sua pelagem estampada de rosetas combina com a paisagem onde ele possa atacar a partir de distâncias curtas, deixando- se pouco tempo para presa reagir. E embora tenha um corpo relativamente pequeno, um leopardo pode perseguir presas maiores do que ele, um resultado de sua forma crâniana lhe fornece músculos da mandíbula incrivelmente poderosos. Um leopardo vai matar presas maiores sufocando o animal com uma mordida no pescoço. No entanto, pode ajustar o seu estilo de caça para a tarefa em mãos. Escaravelhos são derrotados com um rápido golpe da pata. Desde que permaneça sem ser detectado o leopardo irá fazer a maior parte de sua caça à noite, contando com visão noturna; mas eles também caçam durante o dia dando-lhes acesso a uma ampla variedade de animais.
Se confrontado, um leopardo, muitas vezes, sacrifica sua comida ao invés de lutar por ela. Mas atletismo e capacidade de subida, por vezes, ajudam a prevenir um leopardo de perder sua presa para outros predadores como leões e hienas. Quase imediatamente depois de uma matança de sucesso, usando sua força e forte mandíbula, um leopardo vai levar o animal até uma árvore, longe de onde outros catadores podem chegar. Leopardos são conhecidos por levar bezerros de girafas pesando cerca de 275libras - 2 a 3 vezes o seu tamanho."

Entrevista para um programa de ciências em Detroit.

Esta informação é retirada da revista África - Meio Ambiente e da Vida Selvagem, março / abril de 1999
O artigo é intitulado The Cat Quintessential por Luke Hunter.

Dieta extremamente diversificada do leopardo é uma das razões para o seu sucesso excepcional. Considerando lion orgulha exigem altas densidades de grandes herbívoros para subsistir, e chitas são mais bem sucedidos onde antílopes, como gazelas e impalas são abundantes, o leopardo pode sobreviver em peixes, roedores e aves. Ted Bailey, um cientista que estudou leopardos no Parque Nacional Kruger, computados os registros alimentares de todo o continente e descobriu que pelo menos 92 espécies diferentes foram documentados na dieta do leopardo, entre eles dung beetles, gafanhotos e até mesmo escorpiões. No entanto, leopardos geralmente investem mais energia na caça presa onde o pay-off é maior, e na maioria dos ecossistemas africanos que se concentrar nas mais abundantes ungulados médias atuais. No Kruger Park sul, onde a densidade impala está entre os maiores da África, o estudo de Bailey mostrou que impalas constituída quase 88 por cento de mortes de leopardo. No Parque Nacional Serengeti, na Tanzânia, a gazela de Thomson abundante é a presa mais freqüentemente mortos, enquanto no Parque Nacional de Kafue na Zâmbia é reedbuck, waterbuck e puku.

As possíveis presas de um leopardo são inúmeras, e chegam a quase 100 espécies diferentes de animais, deixando animais de 100, 200 e até 400kg diretamente na lista e isto é extraordinário para um animal de seu porte, já que um macho enorme teria uns 90kg e isto é extremamente raro e este belo exemplar poderia matar presas com este peso citado e até com alguns quilos a mais.
Através de relatos como este a seguir podemos supor que ele ataque grandes bovinos selvagens........
"The leopard is opportunistic in its selection of prey. Helpless African Cape buffalo that are too young or old to defend themselves, are potential kill for a leopard. However, the buffalo are sometimes known to defend each other from carnivores, and their sharp horns can be very dangerous. It isn't easy being a leopard! - National Geographic Book of Mammals, Volume 1, prepared by the Special Publications Division, page 108."
e até filhotes de hipopótamos, o que pode ser bastante perigoso!!!
Small hippopotamus that are under a year old are in peril of being preyed upon by leopards. In the wild, hippos can live over 40 decades, so leopards have a small window of opportunity before the hippopotamus are just too large and too dangerous. Adults hippos have very few enemies.
Como vimos leopardos no Gabão se alimentam de búfalos cafres anões ou búfalos da floresta, que podem pesar até 370kg, uma caçada de oportunismo e força para controlar o bovino.Uma manada de búfalos da floresta tipicamente consiste em um ou, ocasionalmente, dois touros e um harém de fêmeas adultas, jovens e bezerros, o que ajuda na investida de animais imaturos e bezerros, que são alvos preferenciais.
No estudo do Panthera.org abaixo, a predação de búfalos anões por leopardos mostram preferências por jovens e filhotes avassaladora, devido provavelmente  a índole dos grandes e a dificuldade que eles podem proporcionar.
"The high proportion of forest buffalo in the diet of leopards
in this study was surprising given that in most other
studies where leopards and forest buffalo overlap, buffalo
remains have not been identified in scat (Hart et al., 1996;
Ososky, 1998; Ray & Sunquist, 2001). Hoppe-Dominik
(1984) noted the remains of a young buffalo in one scat
during his study, and Fay et al. (1995) reported attacks by
leopards on young buffalo. The high proportion of buffalo
preyed upon in this study could be explained by the
availability of buffalo in the savanna areas in Lope´, compared
with the low densities that buffalo usually attain in
continuous forest (White, 1994; Tutin, White & Mackanga-Missandzou,
1997b)."

Um outro ótimo resumo do Panthera.org no Gabão.
http://www.largecarnivoresafrica.com/wp-content/uploads/philiph-henschel2.pdf
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Ter Out 11, 2016 7:56 am

INTERAÇÕES - PRESAS

LEOPARDO

Analise específica de presas:
Aqui nestas citações passo a expor algumas analises de abate de presas que considero expressivas para o comparativo.Listas de presas e formas de abate das mesmas, pesos de presas máximos e mínimos, preferências, etc. Um perfil de predação elaborado permite o intercâmbio de informações comparando as presas destes concorrentes, as situações em que eles as abatem, as que podem oferecer maior resistência ou perigo para seus predadores entre outras coisas.
Além desta gama enorme de presas que leopardos matam, temos sempre as que consideramos presas mais difíceis ou exóticas por assim dizer, ou presas de grande porte e maior resistência, pois requerem do predador, uma dose a mais de habilidade, agressividade e coragem. Presas como crocodilos, serpentes constritoras, vegetarianos agressivos como javalis, grandes palancas, órix e zebras, grandes artiodáctilos como kudus, elands, gnus machos e até bovinídeos, primatas enormes como gorilas, e os de grandes bandos com forte formação social como babuínos e chimpanzés podem ser vítimas que se encaradas de forma errada se tornam algozes e algumas coisas tem sido ditas a respeito destas presas em diversos locais internet afora, algumas bem tendenciosas e parciais, outras fora de qualquer sentido, bem como algumas que são retiradas de estudos, de declarações sérias e imparciais.Vamos analisar estas situações possíveis de predação por parte dos leopardos.

Hippotraginídeos - Addax,Órix, Palanca negra, Antílope Roan

Embora os relatórios indicam que, ocasionalmente, leopardos matam  presas grandes,na realidade eles se concentram principalmente em animais menores do que seu próprio tamanho  (Pienaar, 1969). Em um estudo exaustivo dos padrões de predação no Parque Nacional do  Kruger  durante os períodos  de 1936-1946 e 1954-1966, Pienaar (1969) observou que leopardos mataram inúmeros animais de grande porte. A Tabela 5 mostra que a maioria destes animais maiores foram representados por indivíduos juvenis ou infantis com um peso muito menor do que a forma adulta (durante o período de Fevereiro 1966- janeiro 1968). Dois adultos waterbok ( Kobus ellipsiprymnus ) de sexo desconhecido foram tomados; waterboks machos adultos pesam até 270 kg, ao passo que as fêmeas adultas são um pouco menores e mais leves (Skinner e Smithers, 1990). Um gnu adulto ( Connochaetes taurinus ) do sexo masculino, teria pesado 250 kg, ou 180 kg do sexo feminino. Dois adultos (Kudu Tragelaphus strepsiceros ) tomados também se enquadram nesta categoria de peso semelhante, com os machos pesando 250 kg e as fêmeas 200 kg. O maior búfalo ( Syncerus caffer ), tomada era um jovem de tamanho desconhecido.( Opinião pessoal é de que deve ter pesado esta média de 250 a 300 kg).
Apesar da preferência de leopardos para animais de presa relativamente menores, por exemplo, a grande maioria das mortes eram de impalas no Kruger , contudo,predação em  presas maiores não são tão raras como podem verificar.
Por isso em minha opinião, é definitivamente dentro capacidade do leopardo conseguir matar Órixs, kudus, Palancas negras e outros grandes antílopes, mas o risco de ser chifrado está sempre lá. O leopardo geralmente fica para trás e, em seguida abate com uma mordida asfixiante na garganta, ficar para trás dos chifres, ajuda asfixiar sem ser chutado muito. Claro, que assim como em gnus e zebras podem acontecer revés devido a agressividade e coragem que algumas destas espécies apresentam, principalmente os machos de órix e palancas, mas em geral eles gerenciam tais predações. Geralmente iram dar preferência a jovens e fêmeas, mas vivendo em grupos geridos por um grande macho as vezes eles podem estar próximos e se lançarem contra o agressor.  
Kudus

Kobe

Órix






Cervídeos: Alce, Uapiti, Caribu, Cervo vermelho, Cervo do Pantanal, Sambar, Axis, Veado Dama.
Não vejo muitas dificuldades do leopardo em predar cervídeos na maioria das ocasiões. Animais como o uapiti e o alce podem oferecer um desafio maior, um por causa da área total da galhada nos animais machos adultos e o outro por seu tamanho avantajado. Neste caso vejo que eles iram se ater em animais jovens ou fêmeas no caso dos uapitis, mas não descarto uma ou outra predação a machos adultos assim como acontece com pumas. Os cervídeos indianos já fazem parte de seu leque de presas por lá, mas Sambares adultos são animais que reagem por vzs, veado Dama tb seria predado com preferência nos subadultos e fêmeas. Cervos do Pantanal mesmo machos seriam predados tb.

Sambar macho abatido




Alcelaphinídeos - Gnu, Gnu vermelho ou de cauda branca( muito elogiado pelo AJ Noventa) , Antílope bubalu.

Gnus são bovídeos que formam a base da alimentação de alguns predadores africanos, como os leões, hienas, mabecos e crocodilos. Contudo, ainda que assim seja, por vzs eles conseguem repelir ataques de hienas em menor número,guepardos e chacais. Até leoas solitárias já tiveram de ceder para machos adultos, pois eles tem força suficiente até para escaparem de crocodilos médios depois de mordidos.Por serem as vzs imprevisíveis e os grandes machos serem fortes,( um macho de gnu  pode chegar a 250 kg) a caça do leopardo as estes grandes animais adultos pode ser uma tarefa pouco mais complicada de se fazer, do que abater gazelas, impalas e outros antílopes menores e que são sua preferência. Por isto eu coloco o abate de gnus adultos  em uma lista de presas potencialmente difíceis ou perigosas. Com presas maiores assim, a estratégia de emboscada tende a ser mais elaborada e estudada, porém grandes animais, até machos podem ser pegos nestas situações, mas quando estas falham e eles tem de encarar os grandes animais de frente a coisa pode complicar e isto é natural. Os mega machos seriam os mais aptos a realizar uma caçada a um gnu de qualquer tamanho. Os Bubalus são menos perigosos e abatidos em qualquer faixa etária.

A agilidade por vzs salva de um ferimento perigoso.




Acredito que leopardos são animais bem corajosos e destemidos. Por vzs já foram visto a caçar gnus em meio a um estouro, se esgueirando entre cascos e evitando chifradas, por isso não creio que eles se melindrem frente as manadas propostas no hipotético.






Última edição por reptilesporosus em Dom Out 23, 2016 6:35 pm, editado 2 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Ter Out 11, 2016 12:42 pm

Camelídeos:Guanacos
A base pra deixar claro que leopardos seriam tranquilamente capazes de abater estes camelídeos é que eles matam o segundo maior representante desta família, o Dromedário.



Antilocaprídeos- Antilocapra
A capacidade é plena, porém deve ser uma caçada de muita tocaia e surpresa dada a capacidade não só de explosão deste animal como de resistência na corrida.

Roedores- Capivara, Pacairama, Porco espinho africano e norte americano
Creio que na utilização destes alimentos tranquilamente pelo leopardo. Porcos espinhos já fazem parte de sua dieta e os roedores sul americanos nãos seriam dificuldade para o pintado menor. É claro que capivaras tem dispositivos de defesa como a mordida perigosa que é conhecida até por decapitar sucuris, e a fuga para água. Sabemos que o jaguar tem a natural capacidade de persegui-las até dentro da água e talvez isso fosse uma forma de evitar os ataques do leopardo, mas até pumas já foram vistos a matar o grande roedor na água rasa. Condições eles tem. Porcos espinho tem sempre um perigo agregado a sua caça e hora o felino vence, hora desiste e hora morre tentando.












Smutisídeos - Pangolin gigante
Leopardos são conhecidos por aproveitar esta caça encouraçada sempre que tem oportunidade.





Dasypodídeos- Tatu canastra
Apesar de pangolis ter uma couraça diferente de tatus, acredito que isto não seria problema para os leos, que logo veriam como predar o animal. Tatus de menor porte são comida recorrente de pumas e por isto os maiores canastras não vejo que seriam evitados.

Myrmecophagídeos- Tamanduá bandeira
Aqui a coisa já é bem diferente, já que este aparente plácido animal por vzs se livra do jaguar e casos de morte do nosso panterino ao lutar com o comedor de formigas já foram descritas. É uma caça possível, mas requer surpresa.

Caprinos - Takin, Ibex
Ambos caprinos são conhecidos por reagirem frente a preadores, inclusive os de bandos como dholes e lobos. Os machos são as principais ameaças, mas não vejo dificuldade de aceitar que eles matem até um macho deles, principalmente os leopardos ogros propostos.


Equinos- Zebra
Os leopardos são especializados predadores de emboscada. Um leopardo pode matar uma zebra em um ataque de emboscada; mas em um confronto cara a cara com um garanhão zebra ou mesmo uma fêmea adulta, o cenário pode mudar, pois um pontapé de um garanhão saudável( que pesa entre 180 e 385 kg) pode acabar com a carreira de caça de um leopardo. Zebras são animais agressivos e sabe-se muito bem que seu coice é algo mortal até para leões, quando não, quebra-se ossos ou mandíbulas. Grandes leopardos machos são conhecidos por matarem zebras adultas, mas ainda eles vão evitar os garanhões e se ater a fêmeas e animais jovens, mas todos vão preferir os potros, pois são as melhores opções de içar caso precisem de refúgio nas árvores.
Por causa de sua dieta extremamente flexível em algumas localidades esta caça será mais ou menos comum.
No Kruger e Namíbia é bem observado estes abates, no Kruger é anotado que sua dieta é composta de forma bem mesclada incluindo grandes presas como kudus e zebras.
No parque nacional Kruger sua dieta consiste de:
-Impala-29%
-Burchells Zebra de 16%,
-wildebeest 14%,
-warthog 13% e porco-espinho 13%.
http://www.africa-wildlife-detective.com/leopards.html







avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Qua Out 12, 2016 3:17 pm

Bovinídeos- Nilgó, Eland, Niala, Búfalo cafre anão, Bisão do bosque e Kouprey.

Predação em Eland

Esta é uma predação que geralmente acontece em filhotes e animais jovens, ou fêmeas. O leopardo prefere animais menores como impalas, mas conforme a fome ou oportunidade eles vão atacar elands tb, apesar de que como acontece com outras grandes presas isso não ser muito usual entre eles já que impossibilita o gato de içar sua presa o tornando suscetível ao assédio de outros predadores. Os grandes machos de Eland  são um desafio muito maior e o único registro em 1969, mostra claramente que não foi um grande macho de 900 kg, mas sim uma fêmea que pesa geralmente até 450 kg. Na fonte, a proposta é que  a atuação de grandes machos, aumentam em muito as chances de sucesso.
"Elliot (in Cullen 1969) was shown a fully grown Eland Bull that was killled by a large leopard. By back-tracking he found the Eland was one of a herd that was passing along a track in a cedar forest.
"The leopard had jumped on the eland bull from a tree above the track, and the victim had at once dashed downhill. The eland had fallen down twice but had managed to get on to its feet again. But on the third occassion the leopard had succeeded in holding the animal down and finally killing it. In the downhill rush and whole struggle the leopard had lost a lot of hair on trees and bushes. It had seemed that the leopard had managed to kill the eland by biting into the windpipe area, and suffocation was thought to be the main cause of death. Damage to the elands neck vertabrae must have occured during its repeated falls. While the only tooth marks were on the elands throat, there were many claw marks on the flanks, and it seemed the leopard had been on top of the eland all the way down. The warden put half the eland carcass in a nearby tree and - and the following evening - spotted the biggest leopard he had ever seen, with its forehead all bare and bloody. From all the evidence it was certain that the leopard had killed the bull eland without assistance.[/blockquote]
In this instance, the size of the prey far exceeded the normal, but the instance illustrates what an accomplished killer the leopard can be. On another occassion a female eland was found felled by a leopard within twelve meters of being pounced upon; in this case the claws were imbedded in the neck and the teeth in the nose."
Neste caso, pela falta de clareza que alguns dizem Elliot de ter a matança de um grande macho de leopardo em um eland macho adulto não é cravada como certa. Eu discordo particularmente.
East African Mammals By Jonathan Kingdon


O eland fêmea adulta encontrada em WU / BA-001 pode representar a maior matança de leopardo documentado na África Austral. Este animal, quando vivo teria pesava entre 350 e 450 kg (Skinner & Smithers, 1990).






Leopardos são conhecidos por predar bovinídeos selvagens e domésticos.Na Ásia eles matam alguns tipos de búfalos jovens, gado e o Yak. Na África eles matam gado doméstico, e no Gabão são conhecidos por atacarem o búfalo cafre anão.
"The leopard is opportunistic in its selection of prey. Helpless African Cape buffalo that are too young or old to defend themselves, are potential kill for a leopard. However, the buffalo are sometimes known to defend each other from carnivores, and their sharp horns can be very dangerous. It isn't easy being a leopard! - National Geographic Book of Mammals, Volume 1, prepared by the Special Publications Division, page 108."
Esta fonte do National Geografic demonstra que animais jovens e muito velhos de búfalos cafres podem ser vítimas de leopardos, e isto pode ser bem real, da parte de grandes machos de leopardos principalmente já que jovens búfalos vão pesar entre 250 e 300 kg, que é o peso de búfalos do Gabão anões que eles tem de lidar por lá, e búfalos muito velhos já podem estar além de velhos, doentes e perdido de 35 a 50% de seu peso total e se tratando de uma fêmea isso pode representar uns 250 kg, facilitando e muito para um carnívoro solitário.
Como vimos leopardos no Gabão se alimentam de búfalos cafres anões ou búfalos da floresta, que podem pesar até 370 kg, uma caçada de oportunismo e força para controlar o bovino.Uma manada de búfalos da floresta tipicamente consiste em um ou, ocasionalmente, dois touros e um harém de fêmeas adultas, jovens e bezerros, o que ajuda na investida de animais imaturos , que são alvos preferenciais.
No estudo do Panthera.org abaixo, a predação de búfalos anões por leopardos mostram preferência avassaladora por jovens e filhotes, devido provavelmente  a índole dos grandes e a dificuldade que eles podem proporcionar.
"The high proportion of forest buffalo in the diet of leopards
in this study was surprising given that in most other
studies where leopards and forest buffalo overlap, buffalo
remains have not been identified in scat (Hart et al., 1996;
Ososky, 1998; Ray & Sunquist, 2001). Hoppe-Dominik
(1984) noted the remains of a young buffalo in one scat
during his study, and Fay et al. (1995) reported attacks by
leopards on young buffalo. The high proportion of buffalo
preyed upon in this study could be explained by the
availability of buffalo in the savanna areas in Lope´, compared
with the low densities that buffalo usually attain in
continuous forest (White, 1994; Tutin, White & Mackanga-M



Apesar de vermos, que búfalos anões são predados, leopardos tomarão para si qualquer animal muito jovem ou imaturo até do maior e mais agressivo búfalo Cafre. Acredito que animais de até 200 kg podem ser mortos oportunamente por leopardos, mas esta tarefa é singular, pois depende exclusivamente do isolamento de um animal destes de um grupo de sólida relação social que repele até leões e por vzs os matam.
Uma outra prova de que eles atacam os jovens vem de uma informação bem interessante passada pelo amigo Luã aqui do Fórum, Face, Watts, da antiga Território Selvagem,Conflitos que era minha e por ai vai. O grande macho Cam Pan teria atacado um jovem búfalo de frente da manada, o que é um feito mais valoroso e impressionante por se tratar de um predador solitário.

"This diary entry took place at Londolozi

The Camp Pan male. Possibly one of the most powerful leopards ever encountered. We have seen him hunting young giraffe. We have witnessed him aggressively hunting down other large male leopard, and sinking his teeth into them. But we were not prepared for what we saw this morning.

We found the large herd of over four hundred buffalo on Sparta-Ravenscourt, steadily making their way up from the river and onto the open savannahs. It was the last place we were expecting to find a leopard… and then there he was… the Camp Pan male. He looked focused, like he was in hunting mode. At first we suspected he was using the herd for cover, using their noise as a distraction, and as a means to get closer to some of the impala herds not worried about the approach of the buffalo. But it was not impala he was after. He had set his sights on something bigger. Young buffalo.

There were no small calves in the herd, but that didn’t seem to bother him to much. Neither did the four hundred plus adult buffalo guarding the calves; something many lion prides find too intimidating. We watched him follow the herd for hours, and it was only after game drive when a few of us rangers returned to watch him mid-day, that we saw his tactics: hit and run. He launched onto a young buffalo, trying to inflict as much damage as possible before the adults were on him and he had to flee to the safety of the tree, the angry buffalo hitting the tree and trying in vain to bash him out and kill him.

It reminded me of the elephant hunting lions of the Savuti, perhaps a challenge no more remarkable. The injured young buffalo took refuge in the centre of the herd, while the adults kept the big leopard at bay. He continued to follow the herd for the rest of the day, and we do not know whether he had success in the darkness or not."
Fonte:
http://www.rangerdiaries.com/diaries/diary.html&diaryID=100
Leopardos e Búfalos cafre




Na Índia o caso de assemelha pois jovens e filhotes do Banteng são predados de forma oportunista.











No caso dos Nilgós e Nialas eles não teriam dificuldades na predação, mas acredito em um predileção por jovens e fêmeas mais fáceis de matar.
" Leopards prey on the nilgai, though they prefer smaller prey.[46] Dholes generally attack juveniles."

"The main predators of nyala are lion, leopard and Cape hunting dog, while baboons and raptorial birds are the predators of juveniles"

O bisão e o Kouprey seriam os maiores bovinídeos clássicos e sua caça seria mais rara, geralmente predando animais jovens e filhotes, com um esquema de isolamento da presa elaborado a se evitar a reação social destes. De todas as espécies envolvidas eu vejo o persa com além de maior contato com os bisões que iriam estar mais na região sul onde vejo que estariam os persas tb, por ser um local de clima parecido ao de seu costume em boa parte do ano, como animais potentes suficientes para matar algum garrote de seus 200 kg pois eles matam yaks e camelos.
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Qua Out 12, 2016 8:17 pm

Tapirídeos- Todos presentes na América do Sul
Leopardos seriam matadores de tapires tb, mas acredito que grandes machos dariam um grande trabalho a eles como por vzs se relata a fazer com pumas os obrigando a dar atenção a jovens e filhotes. É só ver como ocorre com o grande Tapir Malaio que devido ao seu tamanho têm poucos predadores naturais, e até mesmo relatos de predações por tigres são escassos Na realidade eu ainda não vi uma fonte segura que me apresentasse o puma como predador efetivo de quase todas as espécies de tapir sul americanos a não ser o menor andino. Os leopardos florestais como os do Gabão e do lago Nakuru talvez fossem os mais usuais deste tipo de caça e não descarto um abate por estes apesar de não terem o recurso da mordida brutal do jaguar, podendo se utilizar de alguma técnica parecida a que utiliza com facóceros.

Pecarídeos- Queixada, Cateto, Queixada gigante, Cateto da América Central e México.
Estes animais sul americanos na minha opinião estão entre as caças mais perigosas deste comparativo. Concordo com os escritos de Dan, quando avalia eles como uma caça de alta periculosidade. As varas destes animais que podem passar dos 200 animais constituem uma força considerável e a índole destes animais é tão ruim ou pior que os outros porcos selvagens relacionados aqui, trazendo as vzs dificuldade até para o jaguar em abatê-los.


Suinídeos- Facócero, Porco monteiro, Porco do mato gigante, Javali barbudo.
Com relação as estas quatro espécies de porcos selvagens, sabe-se que leopardos dão caça ao Facócero e o Porco do mato gigante. No caso de Facóceros eles atacam preferencialmente animais jovens e filhotes, mas jovens machos e fêmeas são frequentemente abatidos e os grandes machos são mortos preferencialmente pelos grandes machos territoriais as vzs com uma técnica sinistra de abrir o peito do porco atacando diretamente o coração deles.O Porco gigante tem sido classificado como um animal agressivo e forte com alta capacidade de defesa, mas assim como nos Facóceros eles podem vir a ser predados por leopardos. O javali, presente no Pantanal e aqui chamado de Porco Monteiro tem sido relatados como controlados por apenas um predador, o jaguar, mas acredito que um animal jovem ou filhote desatento seriam mortos pelos leopardos, mas assim como pecarídeos os bandos destes animais seriam evitados em contato direto necessitando para as caçadas muita estratégia e surpresa. O Javali barbudo é menor pesando até 150 kg o que é pouco se comparado a um grande porco monteiro que pode passar dos 200 kg, mas bastante para um puma ou leopardo lidar e creio que os grandes machos deste espécie daria trabalho pra ambos como qualquer uma das 4 espécies aqui fica a questão da técnica sinistra do leopardo de causar intensa hemorragia no peito de porcos maiores fazendo que grandes machos possam eventualmente se aventurar em lutar com um macho de javali barbudo ou fêmeas adultas e machos imaturos do sus scofra tb.
"Despite its size and potential for aggressive behaviour, they have been known to fall prey to leopards (probably almost exclusively large male forest leopards which are often larger than their savannah-dwelling equivalents) and clans of spotted hyenas."

O animal abatido no vídeo é um jovem porco gigante.
O javali barbudo tem potencial defensivo parecido a de um facócero por isso plenamente caçado por leopardos asiáticos.
O maior problema com estas quatro espécies na minha opinião é o grande javali ( Sus scofra) aqui chamado de porco monteiro. Os leopardos que convivem com esta espécie geralmente dão caça aos animais bem jovens e filhotes devido a periculosidade destes animais. Na índia eles são agressivos e por vzs machucam até tigres. Um grande macho de leopardo de qualquer espécie deste comparativo seria o mais indicado a realizar a caçada a um javali destes adulto, mas ainda assim seria perigoso. O interessante é que os leopardos indianos se utilizam da técnica de abrir o peito nestes animais tb. Veja o vídeo abaixo.














Última edição por reptilesporosus em Dom Out 23, 2016 9:38 pm, editado 1 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Qui Out 13, 2016 2:52 pm

INTERAÇÕES PRESAS

PUMAS




Por muito tempo eu venho investigando alguns relatos da internet sobre a capacidade predatória de alguns felinos, em especial a de tigres,leopardos, e dos nossos felinos nacionais, em especial da onça pintada.Quando comecei a mexer com os casos envolvendo pumas, vi muita coisa sobre este felino no campo do fantástico, quase heroico, sobre seu poder de caça, de matar presas bem maiores que ele, e isto aguçou minha curiosidade científica acerca desta capacidade.Assim como em leopardos, não faltam relatos de abates a grandes presas com 4,5 vzs seu peso e isto faz com que pumas, assim como leopardos e jaguares estejam mergulhados em mistério e a fantasia natural dos homens. Nossa intenção aqui é desvendar o melhor possível estas situações e verificar o que geralmente acontece com relação a interações com suas presas com vistas a este habitat hipotético, já que a natureza tem o poder de nos surpreender sempre!!!!
Independentemente de qualquer coisa, pumas são hábeis predadores, extremamente adaptáveis, assim como todos os concorrentes deste comparativo. Eles vão caçar presas em habitats completamente diferentes; em chão de neve e frio de 10 graus negativos de locais próximo ao Canadá, em charcos e banhados de clima médio da Flórida, Montanhas rochosas de Alberta, semi desertos do México, Florestas tropicais quentes e úmidas da América Central e Amazônia, em cerrados e caatingas secas do Brasil, no Pantanal de duas fases distintas, nos Pampas da Argentina e na Patagônia com suas montanhas e campos de vegetação rasteira. Em todos estes locais e muitos outros, sua habilidade é enorme em caçar, fazendo dele um dos mais bem sucedidos felinos em caçadas. Relatos de como pumas são capazes de chegar muito perto de suas presas antes de alcançá-las e abatelas são lendárias e mostra como estes felinos tem sentidos e capacidades físicas muito poderosas e aguçadas.

Este trecho descreve o puma como predador:
"Como a maioria dos gatos, com a notável exceção do guepardo, eles tentam capturar suas presas de surpresa, ao invés de persegui-lo. Ao contrário de um urso, que mata suas presas através de força bruta, o puma é o epítome de velocidade e precisão. O gato é metódico e furtivo na abordagem, rápido no ataque, e eficiente em fazer a matança. Poucas pessoas já viram um leão de montanha fazer uma matança em estado selvagem e uma grande quantidade de mitos envolvem como isso é feito.Histórias de pumas matando bois de 800 libras( 360kg)e 3m é que ainda segurava-os em suas mandíbulas se originou na imaginação de fronteira ao invés de qualquer incidente documentado. Paul Leyhausen fez uma extensa pesquisa sobre o comportamento predatório em gatos domésticos e selvagens, incluindo pumas,e agora acreditava-se que o comportamento de captura de presas é muito semelhante em todas as espécies de gatos selvagens.Ao atacar presas grandes, é importante para o puma manter o seu peso sobre as patas traseiras, para que possa ajustar a sua posição para manter o controle, ou, se necessário, para fazer um recuo prudente para evitar lesões,(já observado que os pumas são ocasionalmente feridos e até mesmo mortos durante esses ataques.)"
COUGAR: THE AMERICAN LION, by Kevin Hansen
Chapter Four - An Almost Perfect Predator- Do site http://mountainlion.org/CAL_ch4.asp

"Contas mais impressionante: "A força notável do puma tem sido demonstrado uma e outra vez em suas ações defensivas, seus ataques a presa formidável, e sua remoção das vítimas para locais de ocultação ou de aposentadoria para fins de alimentação animal As patas dianteiras poderosas podem derrubar um assaltante. ou estripar um com um movimento de varredura. Os cães são frequentemente mortos antes que caiam no chão após uma única pancada na cabeça durante a batalha. A mordida do puma é esmagador. Dois caçadores Wyoming viu um puma bater uma vaca búfalo adulto para o chão em um ataque sensacional. O puma pode arrastar ou levar sua presa caído por uma distância considerável e tem sido conhecido para o transporte de uma carcaça de veado cima de uma árvore para alimentar em segurança. Um puma matou a mula de um senhor de engenho na Guiana e arrastou-a através de uma trincheira cheia até a metade com água Naturalist Sir Robert Schom-Burgk, que gravou o incidente em 1840, acrescentou: ". Até agora como a força está em causa é, em nenhum sentido inferior ao jaguar." Zadock Thompson, em seu início história natural de Vermont, registra que um puma matou um grande bezerro e levou-a para um lugar de se aposentar com um salto de 15 pés sobre uma borda de pedras. Nas montanhas Davis de Texas, uma novilha de seiscentos quilos foi arrastado para fora de um buraco primavera-água estreito e até o lado de uma montanha por um puma para se manter seguro. ME Musgrave, da Pesquisa Biológica EUA no Arizona, foi o chefe de uma força de homens que matou mais de seiscentos pumas no decurso do seu trabalho. Com base em observações de campo, Musgrave fez o seguinte relatório sobre a força do animal: "Eu vi um cavalo pesando oito ou £ 900 que um leão da montanha se arrasta vinte e cinco ou trinta pés, como comprovado por pegadas na neve. Ainda mais surpreendente é o fato de que, por vezes, leva fora o que ele matou. Eu vi os dois veados e bezerros grandes alguma distância de onde a matança foi feita, sem evidência de arrastar. Para isso, o leão se transforma primeiro o animal em sua volta, pega pelo peito, todos os quatro pés degola no ar, e vai embora com a sua própria cabeça erguida."
"Cougar", de Harold P. Danz

A dieta dos pumas é simplesmente enorme, como dos outros animais deste comparativo. O número de espécies que eles se alimentam é enorme e pode ultrapassar uma centena de tipos de animais. Suas dimensões são determinadas conforme a situação simpátrica com a onça pintada, pois as presas que ele irá matar, sendo vizinho da maior pintada, são menores que as que ele abate mais ao norte ou ao extremo sul onde encontra camelídeos.
Porque pumas são um dos gatos com ocorrência mais ampla, assim como leopardos?Porquê sua dieta varia de acordo com a presa disponível e animais, entre 25 e 70kg estão no topo do menu, assim como leopardos. Exatamente o quanto destes animais tem em sua dieta, irá variar de acordo com cada estado e província( isto na América do Norte). No oeste da Virgínia na América do Norte os veados de cauda branca são as principais vítimas. Veados mula são a presa primária em Oregon, Alberta, e Utah, ao mesmo tempo, na Flórida, consomem veados de cauda branca (Odocoileus) e porcos selvagens jovens e filhotes (Sus scrofa) estão no topo do menu. Outras grandes presas são tomadas também, mas preferencialmente eles vão caçar os veados menores e os filhotes e jovens das espécies maiores. Hornocker descobriu que os pumas na Área primitiva de Idaho alimentam-se principalmente de veados e alces (Cervus canadensis é o alce em questão relatado).Em Nevada, o leão da montanha sempre adaptável, às vezes aumenta a sua dieta com cavalos selvagens do deserto ( potros, jovens e sub adultos em quase 100% dos abates) e carneiros selvagens (Ovis canadensis). No México eles matam catetos e lebres, na América Central matam muitos tataus, quatis, e até macacos. Nos Lhanos e Pantanal eles exploram as capivaras e pecarídeos. Em poucos lugares sua alimentação não terá como base os cervídeos. Mas isto está longe de ser os únicos animais consumidos por pumas. Como disse, a lista de espécies predadas, assim como dos outros animais deste comparativo, pode ter mais de uma centena de presas possíveis.

avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Qui Out 13, 2016 2:57 pm

INTERAÇÕES PRESAS

PUMAS

Analise específica de presas:
Aqui nestas citações passo a expor algumas analises de abate de presas que considero expressivas para o comparativo.Listas de presas e formas de abate das mesmas, pesos de presas máximos e mínimos, preferências, etc. Um perfil de predação elaborado permite o intercâmbio de informações comparando as presas destes concorrentes, as situações em que eles as abatem, as que podem oferecer maior resistência ou perigo para seus predadores entre outras coisas.
Além desta gama enorme de presas que PUMAS caçam, temos sempre as que consideramos presas mais difíceis ou exóticas por assim dizer, ou presas de grande porte e maior resistência, pois requerem do predador, uma dose a mais de habilidade, agressividade e coragem. Presas como crocodilos, serpentes constritoras, vegetarianos agressivos como pecarídeos, muflões, grandes alces, grandes cervos, antas e até alguns animais domésticos de grande porte, são caças complicadas. Animais agressivos de grandes bandos com forte formação social como catetos e queixadas podem ser vítimas que se encaradas de forma errada se tornam algozes e algumas coisas tem sido ditas a respeito destas presas em diversos locais internet afora, algumas bem tendenciosas e parciais, outras fora de qualquer sentido, bem como algumas que são retiradas de estudos, de declarações sérias e imparciais.
Vamos analisar as situações  de predação propostas para todos os concorrentes e ver como se dá o desempenho de pumas, concluir que são animais espetaculares em caçadas mas tb verificar como nos outros concorrentes onde podem existir limitações nesta área.


Hippotraginídeos - Addax,Órix, Palanca negra, Antílope Roan

Animais desta família seriam predados por pumas no mesmo nível de leopardos sem problemas, não só na mesma capacidade como nas mesmas incidências e escolha de alvos para os pumas que dividirem espaço nesse mega habitat com os leopardos e jaguares. Acredito que os animais desta família se restringiriam a pastagens baixas e médias encontradas em parte de toda a região Sudeste, Mato Grosso e parte do Paraná e pastos beirando florestas baixas ou matas onde eles poderiam se diferenciar dos rebanhos maiores, encontradas na parte próximo ao litoral do mega habitat. Como os alvos de leopardos geralmente são de jovens e fêmeas os pumas iriam se ater tb a estes mais conforme a fome e oportunidades qualquer um destes seriam caçados. No caso de grandes machos, eles seriam tão capazes quanto os machos leopardos. Sabemos que especialmente o Órix e as Palancas machos podem ser agressivos, impondo o mesmo nível de dificuldade tanto pra pumas quanto pra leopardos.

Cervídeos: Alce, Uapiti, Caribu, Cervo vermelho, Cervo do Pantanal, Sambar, Axis, Veado Dama.

Aqui se encontra o que seria a especialidade de pumas, pois lidam diretamente com estas presas no mundo real, mas não vejo muitas diferenças de como pumas lidariam com os antílopes em detrimento de como eles lidam com cervídeos. É claro que existem diferentes comportamentos reativos por parte de antílopes, cervos e alces, como explodem em fuga, como giram e tentam se desvencilhar em caso de tentativa de predação e como lutam em caso de reação em função das diferentes armas que possuem, mas em todos eles acredito que a forma de abate do puma seria praticamente a mesma, praticando uma mordida na base da nuca ou sufocamento traqueal e escolhendo uma destas dependendo do tamanho da presa. Com relação ao Alce o Uapiti e o Cervo vermelho vejo eles evitando os grandes machos e mirando mais em animais jovens ou fêmeas como no mundo real. O Cervo do Pantanal, Sambar, Axis e o Dama como são menos agressivos que os outros poderão ser predados sem maiores problemas, mesmo os machos.



Cervídeos do tamanho da foto acima são a base alimentar de pumas


Sua técnica de abate para animais deste porte não teria qualquer modificação



fotos que mostram a grande dificuldade que representa um grande cervídeo como este macho Uapiti, que aliás como diz a fonte conseguiu se safar.

Alcelaphinídeos - Gnu, Gnu vermelho ou de cauda branca( muito elogiado pelo AJ Noventa) , Antílope bubalu.

Gnus são bovídeos que formam a base da alimentação de alguns predadores africanos, como os leões, hienas, mabecos e crocodilos. Contudo, ainda que assim seja, por vzs eles conseguem repelir ataques de hienas em menor número,guepardos e chacais. Até leoas solitárias já tiveram de ceder para machos adultos, pois eles tem força suficiente até para escaparem de crocodilos médios depois de mordidos.Por serem as vzs imprevisíveis e os grandes machos serem fortes,( um macho de gnu  pode chegar a 250 kg) a caça do puma as estes grandes animais adultos pode ser uma tarefa pouco mais complicada de se fazer, do que abater cervídeos mais leves e menores e que no mundo real são sua preferência.Por isto eu coloco o abate de gnus adultos  em uma lista de presas potencialmente difíceis ou perigosas como fiz com leopardos. Com presas maiores assim, a estratégia de emboscada tende a ser mais elaborada e estudada, porém grandes animais, até machos, podem ser pegos nestas situações, mas quando estas falham e eles tem de encarar os grandes animais de frente a coisa pode complicar e isto é natural. Os mega machos seriam os mais aptos a realizar uma caçada a um gnu de qualquer tamanho, assim como em leopardos, apesar de que vejo os pumas não ocorrendo em locais próximos a estes rebanhos. Os Bubalus são menos perigosos e abatidos em qualquer faixa etária.


Última edição por reptilesporosus em Seg Out 24, 2016 8:09 am, editado 1 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Dom Out 23, 2016 8:53 pm

Camelídeos:Guanacos

Esta caça não seria qualquer dificuldade a mais ou a menos das que o puma já enfrenta no mundo real. Guanacos estariam restritos a campos no Sul do Rio Grande do Sul  e dividiriam espaço com outros herbívoros, talvez cervos vermelhos, javalis que no meu entender habitariam em todos os locais, muflões, takins e antilocapras, sendo que os grandes pumas destas regiões e os leos persas que no meu entender dividiriam essa área de ocorrência seriam os predadores atuantes.








Antilocaprídeos- Antilocapra
Mais que em leopardos, pumas tem capacidade plena e mais experiência que leos e jaguares com este animal, porém deve ser uma caçada de muita tocaia e surpresa dada a capacidade não só de explosão deste animal como de resistência na corrida.


Roedores- Capivara, Pacairama, Porco espinho africano e norte americano
Creio que na utilização destes alimentos tranquilamente pelo puma. Porcos espinhos americanos e ouriços já fazem parte de sua dieta e os roedores sul americanos são uma fonte de alimento da suçuarana. É claro que capivaras tem dispositivos de defesa como a mordida perigosa que é conhecida até por decapitar sucuris, e a fuga para água. Sabemos que o jaguar tem a natural capacidade de persegui-las até dentro da água e talvez isso fosse uma forma de evitar os ataques dos pumas, mas na prática eles matam na grande maioria das vzs os filhotes e jovens que se aventuram mais longe da água, porém até pumas já foram vistos a matar o grande roedor na água rasa, mas isso é raro e geralmente acontece quando o puma não alcança a vítima antes que esta possa se proteger nas profundezas. Porcos espinho africano seria o mais complicado destes animais de se enfrentar e tem sempre um perigo agregado a sua caça. O leopardo mesmo tendo a interação direta com eles tem hora que o felino vence, hora desiste e hora morre tentando.














Dasypodídeos- Tatu canastra
Apesar de pangolis ter uma couraça diferente de tatus, acredito que isto tb não seria problema para os pumas que junto ao jaguar são predadores naturais de tatus canastras e das outras espécies de dasypodídeos.


Smutisídeos - Pangolin gigante
Leopardos são conhecidos por aproveitar esta caça encouraçada sempre que tem oportunidade, mas no caso de pumas não tenho certeza se eles dariam caça a estes como leopardos, já que os pangolins tem um nível de armadura mais dura que tatus e usam dessa defesa de forma diferente, por vzs entediando até leões na tentativa de comer estes animais.

Myrmecophagídeos- Tamanduá bandeira
Aqui a coisa já é bem diferente, já que este aparente plácido animal por vzs se livra do jaguar e casos de morte do nosso panterino ao lutar com o comedor de formigas já foram descritas. É uma caça possível, mas requer surpresa.Geralmente são predados pelo jaguar, mas suçuaranas eventualmente podem caçar estes animais preferindo os jovens.  

Caprinos - Takin, Ibex
Ambos caprinos são conhecidos por reagirem frente a preadores, inclusive os de bandos como dholes e lobos. Os machos são as principais ameaças, mas não vejo dificuldade de aceitar que eles matem até um macho deles,já que pumas são predadores de muflões e da cabra montesa americana. Os machos destas espécies são muitas vzs agressivos e podem reagir mas como pumas são bem ágeis e com alto índice de sucesso em tocaias eles iram obter bastante sucesso com estes animais. Pumas de Torres Del Maine, Alberta e do Canadá seriam os animais que juntamente com os persas lidariam com estes animais.







Equinos- Zebra
Assim como leopardos, pumas são especializados predadores de emboscada. Um puma também pode matar uma zebra em um ataque de emboscada; mas em um confronto cara a cara com um garanhão zebra ou mesmo uma fêmea adulta, o cenário pode mudar, pois um pontapé de um garanhão saudável( que pesa entre 180 e 385 kg) pode acabar com a carreira de caça de qualquer um destes felinos do comparativo. Zebras são animais agressivos e sabe-se muito bem que seu coice é algo mortal até para leões, quando não, quebra-se ossos ou mandíbulas. Grandes leopardos machos são conhecidos por matarem zebras adultas, mas ainda eles vão evitar os garanhões e se ater a fêmeas e animais jovens, por isso vejo pumas com relação as zebras tendo as mesmas táticas e escolhas que eles geralmente fazem com os cavalos selvagens que eles lidam em Alberta por exemplo. Eu fico amplamente inclinado a achar que eles teriam mais dificuldades com as zebras, não só por serem equinos agressivos e de forte reação se comparadas a cavalos selvagens, mas porque pumas não teriam algumas detalhes que muitas vzs os ajudam na predação de cavalos que é a neve e a dificuldade que esta pode impor em uma fuga das presas e que pumas aproveitam. Também existe o fato de que pumas por vzs não conseguem matar cavalos adultos domésticos confinados e bem menos agressivos que zebras.








Bovinídeos- Nilgó, Eland, Niala, Búfalo cafre anão, Bisão do bosque e Kouprey.

Predação em Eland e Nilgó

Eu não vejo pumas interagindo muito com estes animais por ver que eles não teriam muitos encontros no mega habitat em virtude de que ocupariam faixas distintas neste lugar. Elands e Nilgós são grandes e pesados e assim como leopardos, em caso de interação com estes animais pumas iriam mirar em animais jovens ou filhotes como fazem com o mega cervídeo americano.


Última edição por reptilesporosus em Seg Out 24, 2016 8:35 am, editado 1 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Dom Out 23, 2016 9:33 pm

Tapirídeos- Todos presentes na América do Sul
Pumas poderiam seriam matadores de tapires tb, mas acredito que grandes machos dariam um grande trabalho a eles, na verdade as fêmeas adultas de 3 das 4 espécies tb, os obrigando a dar atenção a jovens e filhotes. É só ver como ocorre com o grande Tapir Malaio que devido ao seu tamanho têm poucos predadores naturais, e até mesmo relatos de predações por tigres são escassos. Na realidade eu ainda não vi uma fonte segura que me apresentasse o puma como predador efetivo de quase todas as espécies de tapir sul americanos a não ser o menor andino. Os leopardos florestais como os do Gabão e do lago Nakuru talvez fossem os mais usuais deste tipo de caça, fora o jaguar e não descarto um abate por estes, apesar de não terem o recurso da mordida brutal do jaguar, podendo se utilizar de alguma técnica parecida a que utilizam com facóceros. Efetivamente eu vejo eles interagindo com as quatro espécies, mas os grandes de Torres del Maine seriam os pumas mais a utilizar a carne de tapir já que provavelmente estaria próximos aos andinos. Um grande macho poderia ser um candidato a combater com um tapir macho, mas devido a característica já relatada de como estes animais se livram das tentativas de predação de jaguares e pumas, vejo os jaguares os mais usuais predadores de tapires adultos.  

Pecarídeos- Queixada, Cateto, Queixada gigante, Cateto da América Central e México.
Estes animais sul americanos na minha opinião estão entre as caças mais perigosas deste comparativo. Concordo com os escritos de Dan, quando avalia eles como uma caça de alta periculosidade. As varas destes animais que podem passar dos 200 animais constituem uma força considerável e a índole destes animais é tão ruim ou pior que os outros porcos selvagens relacionados aqui, trazendo as vzs dificuldade até para o jaguar em abatê-los. Pumas são predadores destas espécies mais a preferência por animais jovens e inexperientes são claras dadas a periculosidade que os grupos destes animais representam. Fêmeas adultas e até machos podem ser derrotados por pumas se isolados, mas ainda assim é uma tarefa perigosa.





Suinídeos- Facócero, Porco monteiro, Porco do mato gigante, Javali barbudo.
Com relação as estas quatro espécies de porcos selvagens, sabe-se que leopardos dão caça ao Facócero e o Porco do mato gigante.Pumas geralmente caçam animais mais jovens e inexperientes e como leopardos os vejo lidando da mesma forma. Eu creio que eles em virtude das experiências ruins logo veriam que os animais adultos destas espécies de suinídeos dariam trabalho demais pra serem abatidos. Pumas não se utilizam da técnica alternativa pra isso como leopardos que literalmente abrem o peito destes animais e isto é feito por machos territoriais grandes, não vi fêmeas o fazendo. No caso de Facóceros, eles geralmente são mortos por leopardos, e pumas seriam capazes de matarem estes animais nas mesmas proporções de tamanho que os leos, ainda que por causa dos caninos menores e mordida pouco menos pesada que leos, os fariam evitar os grandes machos resistentes e de pele dura.O Porco gigante tem sido classificado como um animal agressivo e forte com alta capacidade de defesa, mas assim como nos Facóceros eles podem vir a ser predados por pumas mas claramente mirando nos jovens. O javali, presente no Pantanal e aqui chamado de Porco Monteiro tem sido relatados como controlados por apenas um predador, o jaguar, mas acredito que um animal jovem ou filhote desatento seriam mortos pelo leão baio, mas assim como pecarídeos os bandos destes animais seriam evitados em contato direto necessitando para as caçadas muita estratégia e surpresa. O Javali barbudo é menor pesando até 150 kg o que é pouco se comparado a um grande porco monteiro que pode passar dos 200 kg, mas bastante para um puma ou leopardo lidar e creio que os grandes machos deste espécie daria trabalho pra ambos como qualquer uma das 4 espécies  aqui fica a questão da técnica sinistra do leopardo de causar intensa hemorragia no peito de porcos maiores e pelos mesmo motivos citados acima não vejo pumas os abatendo os maiores e sim os evitando.

Esta foto mostra um puma em perseguição a um javali invasor na Flórida porém sem qualquer dado sobre o resultado final da perseguição que diga- se de passagem geralmente termina com a reação abrupta para trás do suinídeo encarando o predador.


Última edição por reptilesporosus em Sex Out 28, 2016 11:05 am, editado 1 vez(es)
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  reptilesporosus em Sex Out 28, 2016 10:51 am

INTERAÇÕES PRESAS

JAGUAR



Um ponto de partida para diferenciar estes animais é analisarmos suas características básicas como predador bem como o tamanho máximo de uma presa que efetivamente eles podem matar.Isso é importante pois diferenciar aquilo que é comum do raro, ou esporádico, é estabelecer um critério científico mais correto a se equalizar em um comparativo. Sabe-se que pumas e leopardos são capazes de grandes feitos e isto é incrível. Abater um grande Kudu, Elands jovens, fêmeas, um grande macho registrado, Palancas, Órix, Zebras jovens e  adultas, os perigosos javalis, gorilas, babuínos, grandes pítons africanas, crocodilos de até 2 metros, mabecos, búfalos cafres anões e até hienas mostra o poder do leopardo, assim como é surpreendente que pumas possam abater alces vermelhos e caribus, alces fêmeas adultas,( Machos adultos ainda é preciso explicar melhor)e também os perigosos catetos, aligator de mais de 2,5 metros e até lobos com se sabe( apesar de os lobos tb o fazerem) não o deixa ficar atrás. Neste ponto o que diferencia a onça é a capacidade que esta tem de matar em menor tempo e com maior capacidade física presas muitas vzs mais pesadas que ela, demonstrando um poder digno de seus primos que pesam até 250 kg. Ela mata com um salto, como descrito em muitos livros e por estudiosos e mata com certeza qualquer presa que um leopardo ou puma matar e isso de forma mais rápida.
A capacidade de abater animais perigosos como touros e búfalos de 500 kg ou mais, jacarés de até 4 m e grandes sucuris habilitam a onça como um grande predador digno de seu terceiro lugar entre os maiores gatos.

ALGUMAS DECLARAÇÕES DE FONTES CONFIÁVEIS:
Para que não seja uma exposição apenas de minha opinião pessoal vamos verificar algumas informações de renomados estudiosos do assunto, algumas bem comuns aos senhores e relacionar primeiramente algumas declarações de institutos, ongs, projetos e pesquisadores afirmando em livros ou pessoalmente pela internet em nossas conversas depois listar algumas considerações em cima destas.

1- Fundações e Institutos de pesquisa e conservação
WILDLIFE CONSERVATION
Afirmação colhida no Grupo Consultor sobre Onça-Pintada da Wildlife Conservation Society:
" Onças-pintadas atacam indivíduos adultos de até 500 kg de peso(touros e búfalos). .... ela pode arrastar suas presas por longas distâncias, as vezes centenas de metros."
A Wildlife ou WCS org, é uma das mais conceituadas entidades de estudo e de iniciativas de conservação da vida selvagem no Planeta.
"A onça-pintada é menor do que o leão e o tigre, mas é caracterizada por um corpo poderoso, compacto que exala força, e é construído mais para a captura de surpresa e súbita do que correr. Dietas Jaguar variam em toda a sua gama, mas presa natural do animal inclui queixadas, grandes roedores (paca, cutia, capivara), tatus e veados. Enorme cabeça do jaguar e mandíbula muscular fornecem seu poder cortante extraordinário."

WWF- SITE OFICIAL
"Jaguars are capable of killing just about any type of prey they encounter. They can kill animals ranging in size from an armadillo that weighs 1 kg (2 lb) to a cow that weighs more than 450 kg (1,000 lb). Jaguars hunt by walking slowly along trails, watching and listening for prey.
Jaguars have an unusual method of killing large prey. Whereas lions, tigers, and leopards kill with a throat or neck bite, jaguars often kill large prey by biting through the skull between the ears. Jaguars also use their powerful jaws and strong canine teeth to break open the heavy shells of large river turtles."


JAGUAR CONSERVATION FUND - INSTITUTO ONÇA PINTADA
Só um comentário com relação ao Jaguar Conservation:
Este é um dos mais conceituados centros de estudo do Jaguar em toda a América Latina, liderando estudos importantes e reveladores sobre diversos aspéctos da morfologia, comportamento, dieta, status de conservação e ecologia deste felino. Eu diria que sem a sua presença, algumas informações sobre o jaguar ainda não teriam sido colhidas na natureza. Digo isto pois tive o privilégio de fazer um curso com eles no Parque das Emas no autiplano brasileiro e eles realmente lideram alguns estudos importantes sobre a onça pintada, um deles foi recentemente divulgado na EPTV aqui de Campinas sobre a presença de onças em fazendas de culturas de cana, trigo, soja e outras com a relação deste felino e estas culturas.
"A onça-pintada está no topo da cadeia alimentar e é exclusivamente um carnívoro. Estudos de sua dieta têm registrado mais de 85 espécies de presas naturais.
A onça-pintada é um caçador oportunista, alimentando-se as espécies mais abundantes em seu ecossistema. Em algumas regiões do Brasil, as onças se alimentam principalmente de mamíferos de grande porte, como queixadas, capivaras, e antas. Em outras regiões, a onça se alimenta principalmente de répteis, como tartarugas e jacarés. Em áreas onde a onça vive ao lado de fazendas, o gado pode ser uma parte principal da dieta da onça."

O próprio Instituto onça pintada já forneceu imagens que mostram a capacidade de onças em abater touros de 450kg ou mais como veremos mais abaixo.

PRÓ CARNÍVOROS
"Eles têm uma dieta variada, que pode incluir de antas a rãs (Seymour, 1989), mas geralmente sua dieta consiste de vertebrados de médio a grande porte, incluindo: queixadas e catetos, preguiças, capivaras, veados, tatus e até mesmo jacarés (Azevedo 2008; Cavalcanti & Gese 2010; Dalponte 2002). No entanto quando o número destes animais diminui, geralmente por alterações ambientais provocadas pelo homem, as onças podem vir a se alimentar de animais domésticos e por esse motivo são perseguidas (Azevedo & Murray 2007; Michalski et al. 2006, Silveira et al. 2008)."
O Instituto Pró Carnívoros além de promover a conservação dos mamíferos carnívoros neotropicais e de seus habitats, tem sido um dos meios de pesquisa da onça pintada e demais carnívoros silvestres nacionais mais importantes. Já desenvolveram estudos de referência no Parque Iguaçu com as onças pintadas, no Parque das Neblinas em Bertioga- São Paulo, e um programa de Grandes Predadores e Sociobiodiversidade na Caatinga.

PROJETO GADONÇA - FAZENDA SÃO FRANCISCO
Tendo como criador e responsável técnico pelo Projeto Gadonça o biólogo Fernando Azevedo, este iniciou o Projeto em janeiro do ano de 2003, após ter visitado a fazenda em novembro de 2002 para análise e determinação do potencial do local como área de estudo para a implementação do Projeto. De fevereiro de 2003 a Janeiro de 2005, diversas atividades de pesquisa, manejo, educação e interação com turistas, foram realizadas através do Projeto Gadonça. As principais atividades foram as capturas de onças na região, o monitoramento destas onças, o acompanhamento do manejo do gado na fazenda, o registro dos casos de predação do gado por onças, o registro do número de animais silvestres abatidos por onças, a determinação dos tamanhos das populações dos principais animais que serviram de alimento para as onças na fazenda, as visitas às propriedades vizinhas com problemas de predação de gado por onças, o recebimento de turistas, voluntários e estagiários nos trabalhos, a realização de palestras e seminários para turistas nacionais e estrangeiros, e a análise da dieta alimentar das onças na região da fazenda e entorno. Lá o PHD Fernando Azevedo já presenciou diversos acontecimentos que engrossaram e muito o conhecimento do comportamento e ecologia das onças pintadas, e já registrou em filme a alimentação de onças em cervo do Pantanal( este foi mostrado em documentário do National Geografic chamado "Onça pintada- O predador de olhos de fogo"), touros, vacas, javalis e outras grandes presas.

PROJETO ONÇAFARI
É um dos mais ousados projetos de conservação e ecoturismo do Brasil, um dos maiores do Mundo tb, por se tratar de em um núcleo só, promover ecoturismo através da ambientação de onças pintadas como em Londolozi com leopardos ( Aliás foi lá que os profissionais do onçafari estagiaram), conservação e gestão de conflitos humanos e predadores e de pesquisa do apex predador latino americano. De seus estudos e observações já foram vistos comportamentos nunca antes registrados como a divisão de uma carcaça entre supostos parentes, o uso frequente das árvores pelas onças ali, uma onça parda que comeu sua caçada a poucos metros de uma pintada e sua presa, além de outras inúmeras descobertas e contribuições pra este recente e ousado projeto.
Em estudos feitos na região, as onças preferem além de antas, capivaras, queixadas e porcos monteiros que podem chegar as vzs passar dos 90kg no Pantanal, e o gado atacando todo tipo de faixa etária, de bezerros a touros. Repare em um dos relatos do blog do Projeto, mostrando toda a força e dominância da onça ali no refúgio ecológico Caiman:
"  O Refúgio Ecológico Caiman é muito conhecido pela grande população de onças pintadas que tem. O que não é muito divulgado é que além das pintadas lá tbm se encontram onças pardas.
A onça parda é bem menor que a pintada e as duas evitam confrontos. A onça pintada é muito mais forte e por isso faz sentido que as pardas as evitem.
Ao habituar onças pintadas de vez em quando tbm nos deparamos com as pardas, com as quais um dia gostaríamos de fazer o mesmo processo. Com o tempo essa propriedade será um dos melhores lugares do mundo para se avistar esses felinos. Assistam o vídeo abaixo e entenderão o que queremos dizer….
O que não da pra perceber no vídeo é que a apenas 100 m de distância havia uma onça pintada se alimentando em uma outra caça. Isso tudo aconteceu por volta das 7h da noite em uma vegetação bem favorável para o avistamento. Da segurança e conforto de nossas Mitsubishis conseguíamos ver os dos felinos ao mesmo tempo. Olhando pra esquerda víamos a onça parda, olhando pra direita a onça pintada! Nunca achamos que isso seria possível!
A parda estava se alimentando tranquilamente sabendo que a pintada estava tranquila com sua caça. Mas quando a onça pintada começou a esturrar, a parda correu e desapareceu em poucos segundos. Ela estava tranquila em relação a nossos carros mas de maneira alguma arriscaria um confronto com a onça pintada."

O vídeo será oportunamente postado!!!

2-TEXTOS DE LIVROS e ESTUDOS PDF
Os livros são as fontes mais óbvias de informações, mas estão cada vez mais difíceis de achar com qualidade e veracidade de fatos.
Declaração do pesquisador Alexander Von Humbolt.
"Mas à onça tb é considerada um felino muito forte. Relatou um célebre naturalista espanhól Félix de Azara que uma onça teria sido capaz de arrastar um cavalo durante uma centena de metros até um rio, onde, então, o teria afogado..."
Oras, um cavalo bicheira tem pelo menos uns 300kg.


ENCICLOPÉDIA DA VIDA SELVAGEM
Enciclopédia da Vida Selvagem Larousse, Animais da Savana IV, Onça-pintada. Barcelona: Ediciones Altaya, 1997, pág. 9.
"À carne da capivara, por sua vez, é muito apreciada pela onça: esse animal, o maior roedor conhecido, pesa cerca de 50kg quando adulto... à onça parece ter uma técnica especial  para capturá-lo: abocanha-o na base do crânio procurando atingir-lhe o cérebro. À espessura do osso craniano naquele ponto pode alcançar 2cm, mas às possantes presas da onça são capazes de o perfurar. Já se encontrou um crânio que tinha sido abocanhado na altura das orelhas: os caninos da onça tinham atingido os centros vitais da presa sem, praticamente, deixarem marcas na caixa craniana... "


Encilopédia da Vida Selvagem Larousse, Animais da Savana IV, Onça-pintada:

"...Algumas fazendas sul-americanas foram palcos de lutas extraordinárias entre touros e onças. Enquanto derruba à presa, esse felídeo morde-a na cabeça, na base das orelhas. No caso de as presas serem de menor volume e corpulência, à onça utiliza à pata como um porrete, com ela partindo o crânio da vítima... "

Encilopédia da Vida Selvagem Larousse, Animais da Savana IV, Onça-pintada. Barcelona: Ediciones Altaya, 1997, pág. 23:2.
"...Na maioria dos casos, continuam a se alimentar das presas tradicionais, que não faltam nas redondezas. Algumas, porém, preferem os rebanhos domésticos. Em geral, a onça ataca vitelas de 12-18 meses, o que não às impede, por vezes, caçar touros de 500kg... a onça pode aprender a se aproximar dos bovinos, mas estes, por sua vez - especialmente os touros - , por vezes conseguem expulsá-la quando ela ronda os pastos..."

"A onça pintada tem o corpo moldado para as caçadas.As pernas são relativamente curtas e musculosas. Isso faz dela uma péssima corredora de longa distância, mas uma exímia escaladora e saltadora. Ao contrário da maioria dos felinos, não empreende perseguições atrás da caça. Camuflada com sua pelagem dourada e negra, ela busca um ponto cego da presa, aproxima-se sorrateiramente e dá o bote. A onça pintada nada tão bem ( ou até melhor) quanto o tigre, seu primo asiático. É capaz de matar um boto ou um pirarucu dentro do rio e arrastá-lo até a margem para devorá-lo....."
A onça pintada, também chamada de jaguar, tem uma força descomunal. Quando da o bote, mesmo que seja um búfalo a morte da presa é muito rápida. Sua boca consegue esmigalhar ossos do crânio e vértebras da coluna. Estraçalha até a carapaça de uma tartaruga. Sua comportamento imprevisível é lendário.Nem mesmo os domadores dos circos mambembes, que levavam leões e tigres para o picadeiro, ousavam tentar subjugar uma onça pintada."


Do Jornal Universidade Ciência e Fé
Texto de Ricardo Westin sobre o Livro "Jaguar, o rei das Américas" escrito por Evaristo de Miranda ( Diretor e escritor do Instituto Ciência e Fé) e Liana Jhon. Abril de 2011

"De seis espécies de felinos da selva da Costa Rica, apenas o jaguar e o puma pode derrubar uma vaca. Por causa de pumas serem de menor estrutura, eles geralmente atacam o gado mais novo de oito meses. Mas as grandes onças podem derrubar touros de 800 quilos.
Um inspetor chegou a analisar a cena. Ele observou cabeça danificada do bezerro, o peito e os devorou ,definidos, pegadas redondas em torno da carcaça. O assaltante era um jaguar.
Para aqueles com experiência, um ataque de onça-pintada é muitas vezes reconhecível por sua brutalidade. Outro agricultor La Unión disse que seu animal morto apareceu "como se alguém tivesse esculpido em um pedaço de sua garganta com um facão." Perseguição silenciosa do jaguar torna ainda mais aterrorizante.
Embora a onça-pintada é o terceiro maior felino do mundo (atrás do leão eo tigre), tem a mandíbula mais poderosa. Jaguars pode morder com cerca de 2.000 libras de força, forte o suficiente para esmagar o crânio de sua presa. Isso permite que os gatos para atacar por trás, surpreendendo o alvo."

Para salvar um predador: A história do conflito humano-jaguar em Costa Rica
Extraído do site científico THE TICO TIMES

Este texto foi pego da Revista Super Interessante de abril de 2005 e como teve declarações de pesquisadores renomados como Peter Crawshaw, Fernando Azevedo e Carlos C. Alberts, julguei ser digno de anexo nesta obra.
Onça-Pintada: A dona da América- Maior felino do novo mundo, a onça tem uma mordida tão forte que arrebenta até casco de tartaruga.
por Cláudia de Castro Lima
"Ela é o maior felino das Américas. Tem também outro troféu de dar medo: o da mordida mais poderosa entre todos os grandes gatos,(nada que mostrasse o contrário até agora) incluindo o leão e o tigre. A onça pintada é capaz de partir com seus caninos mesmo os maiores ossos, como o crânio de uma anta, ou até cascos de tartarugas. Pode abater uma enorme variedade de presas – e as abate, pois quase nenhum animal escapa à sua voracidade. Fazem parte do menu mais de 80 espécies, há quem afirme que o número chega a 150. Ela se alimenta de jacarés e crocodilos e até de grandes jibóias e sucuris, queixadas, capivaras, pacas, tatus,cutias, macacos, catetos, veados, aves, peixes, antas e até touros e búfalos. É uma exímia nadadora, capaz de atravessar até 1,5 quilômetros de rio atrás de comida ou de companheiros para reprodução, e consegue subir com destreza em árvores. Mas, devido ao porte encorpado e às pernas relativamente curtas, não é uma boa corredora – e prefere a emboscada. A maioria dos grandes felinos mata suas presas por estrangulamento. Em alguns casos, a mordida é profunda o suficiente para furar a traquéia e a veia jugular. Esse método leva alguns minutos para que um grande felino leve uma presa grande até a morte. Mas a onça-pintada faz diferente. Este gato formidável, encontrado no México e América Central e do Sul, normalmente vai para um método mais rápido e mortal: morde e fura o crânio até o cérebro, causando morte instantânea na presa. Ela tem dentes particularmente longos e grossos, e mandíbulas incrivelmente poderosas para fazer isso. A onça pode matar dessa forma até touros selvagens pesando quase meia tonelada. Mas se a presa não for tão grande, a onça não morde através do topo do crânio, mas afunda suas presas nas orelhas das vítimas! É mais do que um pesadelo. Imaginar as presas de um gato gigante entrando como uma faca através de seus ouvidos até o seu cérebro é morte certa.A onça-pintada tem a mordida mais forte de todos os felinos, capaz de morder com 2.000 libra-força (8.900 N). Isso é o dobro da força de um leão, e a segunda mais forte de todos os mamíferos após a hiena manchada; esta força é uma adaptação que permite o jaguar perfurar cascos de tartarugas e até o crânio do maior mamífero brasileiro. Um estudo comparativo da força de mordida ajustados para o tamanho do corpo classificou-o como o topo entre os felinos, ao lado do leopardo nebuloso e à frente do leão e do tigre."


3- PESQUISADORES
PAUL D. HAEMIG (PhD em Ecologia Animal)
"A onça-pintada é o maior felino do hemisfério ocidental e pode dominar presas maiores do que as do puma. O puma, por sua vez, apresenta uma distribuição geográfica mais ampla do que a onça-pintada, estendendo-se desde o Alasca e Norte do Canadá até a ponta mais meridional da América do Sul. Iriarte et al. (1990) compararam a taxa do comprimento da cabeça ao corpo do puma em toda sua distribuição geográfica, e constataram que o tamanho do corpo do puma torna-se menor nas áreas onde é simpátrico com a onça-pintada. Esta diminuição do tamanho do corpo do puma também é relacionada ao menor tamanho corporal de suas presas.

Quando simpátrico com a onça-pintada, o puma geralmente abate presas de tamanho médio ou pequeno, enquanto a onça-pintada mostra preferência por presas maiores (Taber et al., 1997; Maxit, 2001; Polisar et al., 2003; Azevedo, 2008). Por exemplo, nos Llanos da Venezuela, Scognamillo et al. (2003) constataram que a onça-pintada selecionava principalmente presas grandes (acima de 15 Kg), enquanto o puma preferia presas médias (de 1 a 15 Kg)."




ALLAN RABINOWITZ :   Dr. Alan Rabinowitz, presidente do Instituto conservacionista Panthera  é considerado por muitos acadêmicos o maior especialista em felinos atualmente, um dos maiores líderes mundiais, e foi chamado de "O Indiana Jones de Conservação da Vida Selvagem" pela revista Time. Dr. Rabinowitz se formou na Universidade do Tennessee, em 1981, com um mestrado em zoologia e um Ph.D. em Ecologia da Vida Selvagem e é atualmente o CEO da Panthera, uma organização sem fins lucrativos dedicada a salvar espécies de gatos selvagens do mundo. Antes de co-fundar a Panthera com o presidente da entidade, Dr. Thomas S. Kaplan, Rabinowitz serviu como Diretor Executivo da Ciência e Exploração da Division Wildlife Conservation Society por quase 30 anos.
Dr. Rabinowitz tem viajado o mundo em nome da conservação da vida selvagem e ao longo dos anos tem estudado onças, leopardos, leopardos asiáticos, tigres, rinocerontes, ursos, gatos, guaxinins, leopardos das neves e Civets. Seu trabalho em Belize resultou no primeiro santuário para a conservação do jaguar no Mundo.
Declarações dele:
"A onça-pintada é o menos perigoso que qualquer um dos grandes felinos para o homem o que é bastante surpreendente. Essa é uma parte muito importante do meu livro. Há um capítulo no meu livro que eu chamo de "O Guerreiro Relutante". Isso é o que eu chamo de jaguar. Podemos aprender com este animal. Aqui você tem este predador massivamente poderoso, um animal que pode matar em um único salto. Ele geralmente mata sua presa por esmagamento do osso. Seus músculos ao redor de suas mandíbulas e seus caninos são tão fortes que pode matar por esmagamento de crânio ou esmagamento da vértebra, mesmo um touro de 2.000 libras.
E o leopardo pode ficar bastante grande que é o quarto maior gato. Isso fica bastante grande também. Mas tem um crânio muito menor. É mais flexível do que o jaguar.
Eu segurei jovens onças-pintadas em meus braços. Não é - eu segurei jaguares adultos, mas apenas quando eles foram tranqüilizados, quando tinham dormido bem. Tem que ser um bebê muito jovem. Essa é uma das características muito interessantes de onças-pintadas. Mesmo as pessoas em zoológicos que levantaram as onças irá dizer-lhe que o seu comportamento - eles se tornam mais incontrolável, mais difícil de controlar, mais jovem do que qualquer um dos outros grandes felinos. Há uma selvageria. Há uma distante, uma resistência, uma selvageria em jaguares que eu acho que realmente o diferencia de outros grandes felinos."
(traduzido) Trecho de entrevista com relação ao lançamento de seu último livro.

PETER CRAWSHAW:Formado em Ciências Biológicas em 1977 pela Unisinos, RS, com mestrado e doutorado pela Universidade da Florida. Trabalhou no IBDF, IBAMA e agora é analista ambiental do ICMBio. Atualmente está lotado na sede do Cenap, em Atibaia, SP. Tem inúmeras obras sobra a ecologia e comportamento das onças pintadas e sua pesquisa na reião do Acurizal no Mato Grosso foi pioneira em se tratando de onças pantaneiras.
Peter Crawshaw, analista ambiental do Ibama e pesquisador do Instituto Chico Mendes, especialista em onças, teve duas oportunidades de assistir a uma mãe ensinando seus filhotes a caçar. “Em uma das vezes, eles haviam matado três queixadas, cujas carcaças estavam uma ao lado da outra”, diz. Na outra, viu um filhotão de quase 1 ano correndo ao lado de um touro, acompanhado da mãe e de outro filhote. “Acredito que ela estava ensinando os filhotes o que não caçar, porque um touro é um animal perigoso”, afirma. Isto é coisa para onças adultas e experientes.
Há dois tipos de predadores na natureza: os especialistas e os oportunistas. Os primeiros são aqueles que, como o nome diz, se especializam em determinado tipo de caça – caso dos guepardos, que perseguem quase exclusivamente duas espécies de gazelas africanas. Já o predador oportunista aproveita toda ocasião que surja para capturar qualquer animal que possa subjugar. “A pintada é um pouco dos dois tipos”, afirma Crawshaw. “É oportunista por se alimentar de uma gama variada de presas, de tatus e primatas a sucuris e lagartos. E pode ser considerada especialista porque criou técnicas especiais para caçar determinados animais.” No Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, por exemplo, as pintadas predavam mais queixadas do que seria esperado, em relação à densidade do animal no parque. “Isso indica uma preferência por essa espécie.”Por causa da força na mandíbula, a onça costuma matar suas presas quebrando o pescoço delas. “Ela insere os caninos, que podem ter até 5 centímetros, entre a primeira e a segunda vértebra da presa. Assim, rompe sua medula espinhal. A morte é instantânea”, diz Peter Crawshaw. Em outras ocasiões, ela morde o crânio da presa para matá-la. A forma como a onça agarra as vítimas varia bastante – pode ser pelo focinho, pelas costas, pela garganta ou pela cabeça. Em presas maiores, morde na garganta e mata por asfixia ou golpeia de forma que elas caiam no chão com o peso do corpo sobre o pescoço, quebrando-o."




FERNANDO AZEVEDO:Biólogo PhD em Ecologia responsável pelo PROJETO GADONÇA - ONÇA PINTADA - parceria com Pró carnívoros de onde tb é consultor e biólogo.
“A onça-pintada é perfeitamente adaptada para encontrar, atacar, matar e se alimentar de sua presa de forma extremamente eficiente”, afirma Fernando Azevedo, biólogo da Associação Pró-Carnívoros e uma das maiores autoridades mundiais no estudo deste felino. “Para isso, ela precisa ter três sentidos bastante aguçados: a visão, a audição e o olfato. Em conjunto, são os responsáveis por seu sucesso em procurar e achar uma potencial presa.” Apesar disso, o índice de bom êxito de uma caçada não passa de 10%.
As onças passam a maior parte da vida em busca de comida. Ingerir entre 5% e 10% de seu peso é uma batalha diária – ou quase, porque, quando comem presas muito grandes, elas podem ficar alguns dias sem se alimentar. “Boa parte do tempo de uma onça é gasto no deslocamento dentro de seu território, no intuito de demarcá-lo, achar comida ou parceiros para reprodução”, diz Fernando Azevedo. O território do macho normalmente é maior e tem pontos em comum com o de várias fêmeas – ele pode chegar a 200 quilômetros quadrados.
É dentro de sua área que a onça caça, se alimenta, se acasala. E a defende com unhas e dentes. Literalmente. “Por serem animais de uma constituição física muito forte, as onças evitam o contato físico com outras onças no caso de defesa do território. Uma briga entre elas pode acarretar danos físicos muito graves ou até mesmo a morte”, diz Fernando Azevedo. Isso porque os músculos da mandíbula do animal são muito desenvolvidos e ela tem uma mordida de potência bastante grande – mais ainda que a do tigre ou do leão.( Se um PhD no assunto afirma isto eu nem vou discutir ou cháma-lo de desinformado)."



CARLOS C. ALBERTS:Atualmente é Professor Assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.  Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Comportamento Animal, Felinos, Felidae, Filogenia Comportamental, Auto-limpeza, Filogenia, Conservação de Fauna, Ecologia Comportamental, Animais Silvestres e Comportamento Humano.
"Normalmente, a onça só come o animal que abateu. Não é comum ela se alimentar de bichos que morreram de causas naturais. “A pintada não precisa se preocupar em defender a carcaça de sua presa, porque não há nenhum outro competidor com ela em seu hábitat”, diz Carlos C. Alberts. Os bebês ficam com as mães até completarem aproximadamente 2 anos. Durante esse período, a maior lição que aprendem é como caçar de forma eficiente. O aprendizado inicia já bem cedo – com 3 ou 4 meses de idade, as oncinhas acompanham a mãe durante as caçadas. No começo ficam só olhando, para depois começarem a ajudar de verdade. “Os felinos, em geral, têm infância bem maior que os outros animais”, afirma Carlos C. Alberts, especialista em felinos da Unesp de Assis. “É durante esse período que eles aprendem as técnicas básicas de predação: escolher a presa, pegá-la, matá-la e prepará-la para ser consumida. A preparação é necessária porque as onças não comem pêlos nem penas. Se o filhote não for criado com a mãe, não saberá caçar.” Quase adultos, a mãe os força a procurar o próprio território e achar o jantar sozinhos."


MEL SUNQUIST:Mel Sunquist é professor no Departamento de Ecologia da Vida Selvagem e Conservação da Universidade da Flórida. Ele é mais conhecido por seus estudos pioneiros de tigres e leopardos no Nepal, Índia, Malásia Peninsular e Laos. Por seu envolvimento a longo prazo nos esforços de conservação indígenas, em 1997, os EUA Fish & Wildlife Service, Office of Conservation International, reconhecido Dr. Sunquist para "colaboração excepcional para a Conservação e Gestão dos Recursos Naturais." Com seus alunos, ele também tem trabalhou em onças, pumas e jaguatiricas na América do Sul, carnívoros da floresta na República Centro Africano, chitas no Quênia, e outros gatos com menos conhecidas, incluindo gatos de leopardo em Bornéu e da kodkod no Chile. Na Flórida, a sua investigação centra-se em ursos pretos, linces, raposas e coiotes. Seu livro 2002 gatos selvagens do mundo (Univ. Chicago Press), em co-autoria com sua esposa, Fiona, proporcionada não só uma síntese da o-conhecimento state-of-de gatos do mundo, mas também destacou o quão vulnerável estas espécies são e como tênue seu futuro. Dr. Sunquist atua no Save-A-Tigre Conselho Fundo Exxon / Mobil, o Conselho Consultivo do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Predadores Naturais do Brasil, como membro do "Core Group" do Grupo de Especialistas em Cat IUCN, e nacionalmente como um membro da Equipe de Recuperação pantera da Flórida.
"The Jaguar is the largest and only genus Panthera cat found in the Americas. The Jaguar is a powerfully built cat, with a large round head and deep chest. Males on average weigh 57 kg (125 lb) and females 42 kg (92.5 lb). Its top coat is a deep golden color, a white underbelly with distinctive black rosettes that enclose small blackspots. Black jaguars are common and their rosettemar kings can be seen reflected in the sunlight. Their prey consists of peccaries, tapirs, and deer but Jaguars are not finicky eaters. When wild prey is unavailable, they will seek cattle from ranches located within their territories.Jaguars are primarily nocturnal but are also active duringthe day."



GEORGE SCHALLER - PhD
Deixei por último alguma citação deste que foi o maior estudioso do jaguar até hoje. Seu legado é monstruoso, e proporciona ao Brasil ser o berço da pesquisa sobre onças e  continuar sendo o país, nos próximos anos com maior número de publicações sobre a espécie. Atraído pelas histórias de Roosevelt e do tigreiro Sasha, George veio para o Brasil em em 1977 para estudar a ecologia da onça e suas presas, em um projeto conjunto entre a New York Zoological Society (hoje Wildlife Conservation Society - WCS) e o IBDF (hoje Ibama). Se juntou a Peter Crawshaw  em 1978 e juntos estudaram a ecologia e dieta da onça pintada e foram os primeiros a usarem o monitoramento por rádio colar na espécie.
"On several occasions a jagaur iserred one canine nearly into each ear and penetrated the skull, leaving no visible injuries. The other noteworthy feature is the force of the bite. Not only must the jaguar grasp a skull nearly as large as its own but also penetrate the temporal bone which penetrated through the bone one or more times on each side in 10 cases, leaving holes of up to 4 cm in diameter, on only one side in 7 cases, and on neither side in 3 cases, there being only chipped bone to attest to the effort. The precise cranial bite was used only capybara, not on other species, judging by the scattered tooth marks on the skulls and vertrebrae of some pecarry and cattle kills we examined."
avatar
reptilesporosus

Mensagens : 811
Data de inscrição : 14/11/2011
Idade : 44
Localização : Campinas

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  João Pedro em Seg Out 31, 2016 10:13 pm

Pantera Nebulosa, Lince ibérico e Caracal
Seriam raramente predados pelos quatros grandes felinos.

Urso negro americano
Raramente seria predado pelo tigre e pelo jaguar, já o puma e o leopardo iriam evitá-lo sempre que possível.

Urso preguiça
Seria evitado pelos quatro grandes felinos. Acho que só o jaguar seria capaz de predá-lo, mas seria extremamente arriscado tentar devorá-lo e como haveria muitas presas disponíveis para o felino, o jaguar não iria tentar predar o urso.

Urso negro asiático
Acho que o jaguar e o tigre tentariam predá-lo com certa freqüência. O puma tentaria predá-lo só se tivesse com muita dificuldade de encontrar alimento. O leopardo o evitaria.

Carcaju e ratel
Raramente seriam predados pelos quatro grandes felinos.

Ariranha
Se uma ariranha estiver em terra e distante da família, qualquer um dos felinos a predaria, mas se o mustelídeo estiver na água e sozinha, somente o jaguar e o tigre seriam capazes de predá-la. Nenhum dos felinos ousaria atacar um grupo de ariranhas, nem em terra e muito menos na água.

Dhole, mabeco, lobo indiano, hiena listrada e hiena marrom
Se estiverem em grupo, nenhum dos felinos tentaria predá-los, mas se um indivíduo estiver longe de seus semelhantes, então qualquer um dos felinos os predariam.

Coiote e chacal dourado
Acho que os principais predadores deles seriam o tigre e o puma, por serem mais velozes do que esses canídeos. O jaguar e o leopardo não se interessariam muito por eles, pois esses canídeos são pequenos e tão rápidos quanto os dois felinos.

Jacaré do pantanal, jacaré de papo amarelo e crocodilo cubano
Seriam presas freqüentes do tigre e do jaguar, já o puma e o leopardo não se interessariam por eles.

Monitor asiático
Seria predado pelos quatro, principalmente pelo e tigre e pelo jaguar.

Sucuri verde
Seria predada pelo jaguar e pelo tigre.

Sucuri amarela e píton das rochas
Seriam predadas pelos quatro, principalmente pelo tigre e pelo jaguar.

Alce
Seria predado com freqüência somente pelo tigre e pelo jaguar.

Uapiti, caribu, cervo do pantanal e sambar
Seriam predados frequentemente pelos quatro felinos.

Axis e veado dama
Seriam predados principalmente pelo puma e pelo leopardo. O tigre e o jaguar raramente os predariam, pois haveriam presas maiores e consequentemente mais interessantes de serem caçadas.

Gnu e Gnu de cauda branca
Seriam predados pelos quatro, principalmente pelo jaguar e pelo tigre. O puma e o leopardo têm força similar a dessas presas, então os dois felinos as caçariam poucas vezes.

Antílope bubalú, addax, órix, palanca negra, antílope roan e antílope lechwe
Seriam predados pelos quatro, principalmente pelo leopardo e pelo puma. O tigre e o jaguar se interessariam mais por presas maiores.

Nilgó, elandes, niala, búfalo cafre anão e kouprey
Seriam predados apenas pelo tigre e pelo jaguar.

Guanaco
Os quatro iriam caçá-lo com freqüência.

Antilocapra
Só puma seria capaz de predá-lo, já que consegue correr à 80 Km/h contra 100 Km/h do antilocapra, mas mesmo assim, o puma raramente iria tentar predá-lo, afinal o antilocapra é o segundo animal terrestre mais rápido do mundo.

Pecarídeos e suinídeos
Os quatro felinos iriam caçá-los, principalmente o jaguar e o tigre.

Tapir andino e tapir komani
Seriam predados principalmente pelo leopardo e pelo puma.

Tapir de bairdii e anta comum
Acho que seriam predados apenas pelo tigre e pelo jaguar.

Capivara
Seria predada principalmente pelo tigre e pelo jaguar.

Pacaraima
Seria predada pelo puma e pelo leopardo.

Porcos espinhos
As duas espécies seriam predadas apenas pelo leopardo.

Tatu canastra
Os quatro iriam predá-lo com certa freqüência.

Tamanduá bandeira
O jaguar e o tigre iriam predá-lo com certa freqüência, já o leopardo e o puma só tentariam predá-lo se estivessem desesperados por comida.

Pangolin gigante
O puma e o leopardo seriam os principais predadores, já o jaguar e o tigre raramente iriam predá-lo.

Caprinos
Seriam predados frequentemente pelos quatro.

Zebra
Seria predada principalmente pelo tigre e pelo jaguar. Raramente o puma e o leopardo iriam tentar predá-la.

Orangotango
O único predador seria o leopardo, já que o único dos quatro felinos capaz de caçar com tanta habilidade nas árvores.

Gorila
Acho que nenhum dos felinos se arriscaria a tentar caçar um gorila.

Babuíno verde
Em grupo, não seriam predados por nenhum dos quatro, mas se estiverem sozinhos, os quatro felinos tentariam caçá-los.

João Pedro

Mensagens : 117
Data de inscrição : 27/07/2016
Idade : 23

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Habitat hipotético fechado

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum